domingo, 1 de agosto de 2021

A imagem do dia


Já passaram 45 anos sobre este momento. 

Quem conhece esta história sabe que é das grandes histórias da Formula 1. Porque mais do que vitórias e títulos, houve uma altura da história em que a grande vitória era sobreviver. 

E três anos antes, em Zandvoort, o mundo viu um piloto de Formula 1 a morrer em direto e a cores. A partir daquele momento, apareceu uma corrente a dizer que não poderia mais tolerar que um dos pilotos poderia morrer ao vivo sem que ninguém fizesse algo para o salvar. 

E quem conhece a história, muitos se convencem que por causa de Roger Williamson, Niki Lauda foi salvo. Mas não foi só por causa disso que gente como Guy Edwards, Arturo Merzário, Brett Lunger e Harald Ertl saíram dos seus carros e conseguiram retirá-o do seu Ferrari em chamas, e gente como Emerson Fittipaldi e Hans-Joachim Stuck saíram dos seus carros para mandar parar a corrida e evitar o pior. Porque foi por causa deles que o socorro apareceu em menos de um minuto e a corrida parou quase de imediato, apesar dos destroços terem ficado atravessados na pista.

E o resto é história: um amador filmou as imagens do acidente e correu mundo, a prova foi interrompida e Lauda evacuado, onde ficaria três semanas a lutar entre a vida e a morte, com direito a um padre a dar-lhe a extrema-unção - na terça-feira, 3 de agosto, ele esteve mesmo a morrer por causa da condição dos seus pulmões - e no final, o regresso que rivaliza com o do Lázaro da Bíblia, voltando a guiar 40 dias depois, em Monza.

E claro, o Inferno Verde, que naquele dia viu os carros de Formula 1 pela última vez. Mas aqui, ao menos, o piloto foi salvo. E esses momentos ficaram imortalizados, até Hollywood já contou a história.   

Formula 1 2021 - Ronda 11, Budapeste (Corrida)


Depois da qualificação, vem como sempre, o dia da corrida. O fim de semana de Budapeste estava com calor na atmosfera... e nas boxes, porque afinal de contas,  os Mercedes tinham conseguido reagir ao ataque dos Red Bull nas últimas corridas, e tambem à polémica de Silverstone, com o que aconteceu entre Max Verstappen e Lewis Hamilton. Com todos a cheirarem o sangue, quais tubarões na água, todos queriam falar da mesma coisa depois do que aconteceu, por muito que Max Verstappen diga que já estava enjoado e todos tinham de seguir em frente.  

Mas neste domingo, a corrida começou antes do tempo. Primeiro, quando se soube que a Red Bull teve de trocar de motor quando se descobriu uma fissura na unidade de potência. Lá teve de ser penalizado para poder correr. E a pouco menos de uma hora da corrida... começou a chover! E por causa disso, todos decidiram correr de intermédios.


E na partida... confusão! Bottas e Verstappen bateram ambos na primeira curva, com os McLaren também a irem na carambola. O neerlandês regressou no fundo da grelha, e nas imagens se viu que a grande parte da culpa recaiu em Bottas, pelo erro cometido - bateu na traseira de Lando Norris - e a má partida. Pouco depois, os comissários da pista decidiram mostrar a bandeira vermelha, por causa dos destroços, com Hamilton na frente de... Esteban Ocon e Sebastian Vettel! E quatro pilotos fora: Stroll, Bottas, Leclerc e Perez. Norris levou o carro até às boxes, mas também abandonou. 

Na meia hora seguinte, os pilotos fizeram as reparações nos carros danificados e esperavam que a chuva parasse, e quando aconteceu, todos... menos Hamilton, pararam na volta de apresentação, para colocar médios. E apenas com ele por ali... é mais uma imagem surreal para a história da Formula 1. Quando o britânico percebeu o erro, foi às boxes e caiu para o fundo do pelotão!

Na corrida, Esteban Ocon estava na frente de Sebastian Vettel, enquanto toda a ação estava concentrada no fundo do pelotão, com Hamilton e Verstappen a tentarem recuperar o tempo perdido. Mas poucas voltas depois, nova desistência, quando Nikita Mazepin... bateu nas boxes por causa do carro de Kimi Raikkonen, que regressou à pista na pior altura possível.

Nicholas Lattifi era terceiro, a aguentar todos atrás dele, a começar por Yuki Tsunoda, que era melhor que Pierre Gasly, apenas décimo. George Russel, seu companheiro de equipa, era sétimo. Hamilton andava de mal a pior, e na volta 19, resolveu parar para colocar duros, tentando ver se iriam até ao final da corrida com o mesmo jogo de pneus. A Red Bull respondeu com Verstappen, colocando novo jogo de médios. O neerlandês saiu para a pista... atrás de Hamilton, e parece ser mais um tiro no seu próprio pé. 

Com o passar das voltas, Hamilton começava a ultrapassar alguns pilotos para chegar o mais alto possivel. Na frente, Vettel andava sempre atrás de Ocon, mas com o tempo ficava um pouco para trás. Na volta 37, quando o alemão da Aston Martin foi para as boxes trocar de pneus, a Alpine, por uma volta, tinha os seus carros nos dois primeiros lugares, com Ocon e Alonso nessa ordem. Depois dessas paragens, à entrada da volta 40, Hamilton era quarto, a menos de oito segundos da liderança. 

Mas havia novas nuvens no horizonte. Ou seja, a respiração teria de ser contida até ao final da prova.

Na frente, Ocon sustinha o veterano Vettel enquanto Sainz, Hamilton e Alonso seguiam-o. Na volta 47, Hamilton parou de novo, colocando médios e depois de ter voltado à pista... começou a rodar três segundos abaixo da média. O britânico pergoutou às boxes para saber o ponto da situação, com Toto Wolff a responder "Lewis, tu podes vencer isto!" Ao mesmo tempo que acontecia, Vettel estava mesmo na traseira de Ocon, espreitando por um erro do francês. E Alonso está colado no Sainz, numa batalha espanhola. Mas com isso, Hamilton aproximou-se.

Na volta 55, Alonso começou a aguentar Hamilton, fazendo a sua parte para segurá-lo e ajudar a equipa. E o veterano usava a estreiteza da pista a seu favor, pois com o passar das voltas, sem que o britânico conseguisse passar, parece que as suas chances de vencer diminuiam. Mas na volta 64, Hamilton conseguiu por fim passar, depois de um erro do piloto da Alpine. Duas voltas depois, passou Sainz Jr para ser terceiro. 


A parte final era para saber se Hamilton tinha tempo para os apanhar. Sete segundos poderiam ser muito numa corrida normal, mas numa equipa e num piloto anormais, tudo era possivel. Mas na Alpine, já havia certezas: Ocon iria vencer, dar à equipa a sua primeira vitória de um francês desde Pierre Gasly, em Monza 2020, e a de um carro francês em mais de uma década.    

sábado, 31 de julho de 2021

W Series: Chadwick foi a vencedora em Budapeste


Jamie Chadwick foi a vencedora da etapa húngara da W Series, neste sábado à tarde. A piloto britânica triunfou pela segunda vez nesta temporada, mostrando o seu dominio na competição, nesta temporada, batendo a sua rival, Alice Powell, enquanto a espanhola Nerea Marti ficou com o lugar mais baixo do pódio. 

Depois da pole-position de Jamie Chadwick, na qualificação de ontem, a corrida iria acontecer com calor em terras húngaras, e com um asfalto a escaldar. Na partida, Chadwick largou na frente para garantir a primeira posição, com Powell a seguir e Nerea Marti, na frente de Irina Sidorkova e Beitske Visser. Atrás, Fabienne Wohlwend quebrou o nariz e foi às boxes para trocar de compósito.


Nas voltas seguintes, Chadwick foi-se embora com um ritmo bem superior à concorrência, especialmente Powell, que era segunda e já a mais de três segundos da terceira, a espanhola Nerea Marti. Com quase todos a fazer a sua corrida, ao seu ritmo, o grande duelo era pelo quarto posto, entre Sidorkova e Visser, correndo uma colada a outra, sem que tentassem a sério uma ultrapassagem.

A quatro minutos do fim, o momento mais emocionante aconteceu quando Miki Koyama conseguiu passar a britânica Abbie Eaton para... a 12ª posição, numa ultrapassagem que resultou em alguns toques. Pouco depois, a mesma manobra aconteceu a Emma Kimilainen, quando conseguiu passar Marta Garcia para ser sexta classificada. 

Mas na frente, Chadwick dominava a corrida, levando o seu carro até casa e conseguindo mais uma vitória na sua carreira. Powell e Marti completavam o pódio, na frente de Sidorkova e Marti. 

No campeonato, Powell agora comanda com 73 pontos, contra os 72 de Powell, ambas bem distantes da terceira classificada, Nerea Marti, que tem 37. A próxima prova será no final de agosto, em Spa-Francochamps.

 

Formula 1 2021 - Ronda 11, Budapeste (Qualificação)


Budapeste calha no calendário ser a primeira corrida depois de Silverstone. Estava lá desde o inicio do anuncio do campeonato, no final do ano passado. Contudo, este Grande Prémio calha exatamente quinze dias depois das polémicas sobre os eventos da primeira volta do GP britânico e que envolveram Max Verstappen e Lewis Hamilton, os dois primeiros classificados do campeonato. A Red Bull andou esse tempo todo a tentar agravar a pena que Hamilton sofreu na corrida britânica, mas sem efeito, e pior: as coisas, neste tempo das redes sociais, chegou a momentos onde as coisas ficaram bem feias, quase ao insulto pessoal. Nenhum deles, porém, caiu assim tão baixo entre eles, porque sabiam que piorar as coisas não resolverá nada. 

Então, chegamos aqui. No fim de semana onde Fernando Alonso chega aos 40 anos, a Formula 1 queria saber como é que eles se comportarão neste final de semana húngaro, onde o calor prometia ser forte, e as possibilidades de chuva eram reais, ao ponto de parecer isto virar um sitio tropical. Se os Mercedes estavam felizes por estarem no topo da tabela dos tempos, no lado da Honda, fornecedora de motores da Red Bull, estavam felizes por duas coisas: a primeira, que o motor de Verstappen foi salvo do seu acidente em Silverstone, e eles tinham reduzido a sua potência para poder resistir melhor ao tempo abrasador daquele final de semana.


A qualificação começa debaixo de sol e gente nas bancadas, tentando recuperar a normalidade pré-pandémica - de uma certa forma - e o Mercedes começaram a marcar uns tempos, enquanto Mick Schumacher era o primeiro a não passar, porque não tinha o carro a tempo do treino, pois este ainda convalescia do seu acidente na FP3. Se os carros de Barckley começavam a marcar tempos, cedo Max Verstappen foi para a frente com 1.16,214. 

As coisas corriam normalmente, com os piltoos a tentarem tirar os seus melhores tempos, até à parte final, onde parecia que a Haas iria ter companhia. Algo esperada, mas mesmo assim surpresa quando aconteceu. É que George Russell fez companhia a Nicholas Lattifi na Q1, e ambos iriam preencher as duas últimas filas da grelha. E quem saiu a fava foi Yuki Tsunoda, o melhor dos não qualificados, no seu Alpha Tauri.


De regresso à pista com o asfalto bem quente - 62ºC naquele momento - os pilotos tentavam marcar os seus tempos com os compostos moles, sobretudo, para marcar tempo. Hamilton ia para a frente, querendo marcar posição em relação a Max Verstappen, mas atrás, Fernando Alonso dava um ar da sua graça, ao fazer o terceiro melhor tempo provisório. Mas pouco depois, Carlos Sainz Jr. não fez bem a curva 4 e despistou-se, batendo no muro dos pneus. E a sessão foi parada.

Demorou algum tempo para tirar o carro dali, o espanhol até foi a pé pela entrada do pitlane, de uma certa forma... 

No regresso, Verstappen - bem como todos os outros - voltavam à pista com moles, enquanto a Mercedes, com Hamilton e Bottas, andavam de médios, as únicas excepções para saber quem sairia melhor nesta altura do campeonato. Com os pilotos a darem o seu melhor, à medida que o cronómetro chegava ao zero, no final, os que ficavam com a fava eram, para além de Sainz Jr, o McLaren de Daniel Ricciardo, o Aston Martin de Lance Stroll e os Alfa Romeo de Kimi Raikkonen e Antonio Giovinazzi.


Agora era a parte final, um duelo que se adivinhava entre os Mercedes e o Red Bull de Max Verstappen. Todos entravam na pista de moles, e todos entravam logo na pista, excepto Vettel, que preferiu entrar mais tarde. O primeiro a marcar um tempo relevante foi Max, com 1.15,984, mas depois Hamilton tirar 565 centésimos para ficar com o melhor tempo na qualificação, e para piorar as coisas, Bottas faz um tempo que o coloca entre eles.

Mas a parte final deu polémica. É que ele decidiu ir para a pista e adoptar um ritmo mais lento, para aparentemente, impedir que Max fosse mais veloz e tirar o seu lugar. Não é ilegal, mas de uma certa forma, não é moral. Com a pole numero 101 garantido, as bancadas dividiram-se entre as vaias e os aplausos, mostrando que os campos estão divididos e ambos os lados querem guerra. Apesar de Max, mais tarde, na conferência de imprensa, ter dito à imprensa que estava de saco cheio das perguntas dos jornalistas sobre as polémicas. Há quem queira guerra, mas não os pilotos, que até se cumprimentaram no final dessa qualificação. 


Agora, resta ver o que domingo trará. Se o domínio dos Mercedes se confirmar, até que ponto o neerlandês irá reduzir os prejuízos?  

sexta-feira, 30 de julho de 2021

GP Memória - Alemanha 2006


Duas semanas depois da corrida em Magny Cours, a caravana da Formula 1 atravessava a fronteira, rumo a Hockenheim, para o GP da Alemanha. Quando chegaram lá, descobriram que tinha havido uma alteração no pelotão quando a Super Aguri substituiu Franck Montagny pelo japonês Sakon Yamamoto.

O final de semana começou com polémica quando os "mass dampers" - sistema de suspensão que impedia vibrações desnecessárias nos carros - nos Renault foram considerados legais por parte da FIA, apesar de nos regulamentos... eles eranm ilegais. Eles correram com eles colocados na sexta-feira, mas para evitar protestos, a marca do losango retirou-os dos carros e correu com os mais tradicionais.   

No final da qualificação, Kimi Raikkonen levou a melhor sobre os Ferrari de Michael Schumacher e Felipe Massa, enquanto Jenson Button fechava a segunda fila com o quarto tempo. Giacarlo Fisichella era o quinto, no seu Renault, na frente de Rubens Barrichello, no segundo Honda. Fernando Alonso era sétimo, no segundo Renault, na frente de Ralf Schumacher, no seu Toyota, e a fechar o "top ten" estavam o McLaren-Mercedes de Pedro de la Rosa e o Red Bull de David Coulthard.


Na partida, Kimi disparou para a frente, deixando o resto do pelotão - liderado pelos Ferrari - para trás. Atrás, Nico Rosberg despistavase depois de passar o Midland de Tiago Monteiro, causando bandeiras amarelas. Algumas voltas depois, foi a vez de Pedro de la Rosa parar de vez, com um problema na bomba de combustível. 

Na volta 10, Raikkonen foi às boxes para reabastecer, deixando os Ferrari à vontade na frente. O finlandês voltou à pista na oitava posição, enquanto os carros de Maranello só parariam na volta 18, primeiro Massa, depois Schumacher, ao mesmo tempo que Rubens Barrichello desistia com o motor a arder. 

As coisas andaram calmas até que Jacques Villeneuve saiu de pista com estrondo, na volta 30, batendo forte nos pneus no inicio da primeira curva. Ele acabaria por sair do carro com queixas nas costas, e o que ninguém sabia era que aquele iria ser a sua última prova na Formula 1. 

Até à meta, os Ferrari controlaram as coisas, acabando por fazer uma dobradinha, na frente de Kimi Raikkonen, que ficou com o lugar mais baixo do pódio, na frente do Honda de Jenson Button. Nos restantes lugares pontuáveis ficaram os Renault de Fernando Alonso e Giancarlo Fisichella, o Toyota de Jarno Trulli e o Red Bull de Christian Klien. 

Depois da prova, descobriu-se que os Midland de Tiago Monteiro e Christian Albers tinham as suas asas traseiras fora do regulamento e foram desclassificados. Contudo, como acabaram a prova no final do pelotão, praticamente não mudaram em nada na geral.

Youtube Formula 1 Video: O que aconteceu a Brendon Hartley na Formula 1?

Sendo neozelandês que é, o Josh Revell faz estes videos para falar dos seus e porque alguns tem hipótese para a Formula 1, e outros não conseguiram ter o sucesso do qual se desejava, quando lá chegaram. Como Brendon Hartley, que esteve lá a correr na Toro Rosso e andou uma data de tempo na Red Bull Jumior Team, sem alcançar resultados de relevo.

O mais doido neste video é que ele fez a recreação do que poderá ter sido a conversa entre Hartley e o Helmut Marko...

quinta-feira, 29 de julho de 2021

A imagem do dia


No dia em que se comemoram os 40 anos de Fernando Alonso, descobri este post do blog Volta Rápida, do Paulo Abreu, sobre Roger Williamson e aquilo que, na realidade, foi um dos melhores momentos da sua carreira automobilistica, e realmente, um dos motivos pelos quais ficas a pensar no que poderia ter sido, se não fosse o acidente do qual acabou por morrer, faz hoje 48 anos.  

Quem sabe sobre ele, ora lendo coisas sobre a sua vida, e em especial o livro "The Lost Generation", do David Tremanyne, sabe que a sua carreira está ligada a Tom Wheatcroft, que viu o seu talento e foi tratado como se fosse seu filho. Wheatcroft foi a pessoa que recuperou Donington Park, uma pista que acolheu automobilismo no final dos anos 30 e se tornou num depósito de veículos militares durante e depois da II Guerra Mundial e no inicio da década de 70, estava num estado de decadência.

No final de 1972, Williamson tornara-se tricampeão da Formula 3 britânica - nessa altura, havia diversas séries da Formula 3, todas sancionadas pelo BRDC, o British Racing Drivers Club - e o passo seguinte seria a Formula 2, antecâmara da Formula 1. Mas eles chegaram a testar carros como um BRM, e chegou a ter Lord Stanley a pedir-lhe para que fosse correr com ele, mas Wheatcroft pediu para que tivesse um pouco mais de paciência, que iriam arranjar um negócio melhor. 

Na Formula 2, os melhores chassis eram os da March, mas a GRD não ficava muito atrás, a par de Brabham, Surtees ou Chevron. Wheatcroft arranjou o carro e lá foram correr, mas a temporada foi dificil. Tirando o quinto lugar na etapa de Pau, em França, as coisas não correram bem para ele, e começaram a ver que o melhor seria trocar de chassis, já que o piloto que ia na frente, o francês Jean-Pierre Jarier, estava a dominar com um March oficial, que tinha um motor BMW.

O novo carro chegou às mãos deles em Rouen, onde acabaram por não alinhar, e a prova ficaram marcada pelo acidente mortal do escocês Gerry Birrell. A 29 de junho, era a etapa seguinte da temporada, o GP Lotteria de Monza, realizado na pista italiana. Adaptado ao carro, transformou-se da noite para o dia, começando com a pole-position. 

A corrida era repartida em duas mangas, de 20 voltas cada uma, e o maior rival de Williamson era o francês Patrick Depailler, que corria num Elf-Alpine da Coombs Racing. Depailler tinha ganho no Nordschleife no final de abril, contra gente como Derek Bell e o seu compatriota Bob Wollek, mas contra Williamson arriscava-se a vê-lo distanciar-se do seu campo de visão. 

E foi o que aconteceu: no final da primeira bateria, a distância entre ambos foi de onze segundos, a favor do britânico, com ele a liderar do principio ao fim e a marcar a volta mais rápida. E o mesmo aconteceu nas vinte voltas seguintes da segunda manga, nunca cedendo a liderança. No final, Williamson foi rei em Monza, com os franceses Depailler e Jacques Coulon a seguir.

O que ninguém sabia era que ele tinha não só feito o seu melhor desempenho da sua carreira, mas provavelmente uma das suas últimas. A seguir, veio a Formula 1, num March oficial, e um mês depois daquele desempenho estrelar, estava morto, vitima do acidente e consequente incêndio durante o GP a Holanda daquele ano. Se não fosse a Formula 1, estaria a disputar uma prova de Formula 2 no circuito sueco de Mantorp Park.

Rumor do Dia: Breen na M-Sport em 2022?


A Ford, como é sabido, já apresentou o seu modelo para o Mundial de ralis de 2022, com o Puma, na categoria Rally1. Foi no inicio do mês, em Goodwood, e lá, Malcom Wilson disse que não havia pressa em relação a pilotos para a próxima temporada. Contudo, rumores vindos de órgãos da especialidade já dizem que a marca fez a sua primeira escolha. Trata-se do irlandês Craig Breen.

Segundo conta o site Rallye-Magazin.com, a Hyundai poderá ter-lhe oferecido apenas uma nova temporada parcial, e logicamente, Breen, quer correr a tempo inteiro, ainda por cima nesta nova categoria de ralis. Indo à Ford, esta deu-lhe o que queria, podendo correr ao lado do francês Adrien Formaux, com Gus Greensmith a ser o terceiro piloto, com ele a pagar para competir e ter o melhor material.

Caso se confirme, isto poderá dizer que a Hyundai poderá apostar numa tripla constituída pelo belga Thierry Neuville, o estónio Ott Tanak e o sueco Olivier Solberg, o filho de Petter Solberg. Já no lado da Toyota, é muito provável que a tripla seja o finlandês Kalle Rovanpera, o japonês Katsuta Takamoto e o substituto de Sebastien Ogier, que se vai embora no final desta temporada.  

GP Memória - Alemanha 2001


Duas semanas depois de Silvestone, a Formula 1 estava em paragens alemãs para correrem o seu Grande Prémio. Com os alemães felizes por saberem que Michael Schumacher estava muito perto de renovar o seu campeonato mundial, o público acorria a Hockenheim aos magotes, não só celebraram o piloto da Ferrari, mas saber, por exemplo, se o seu irmão iria ter uma performance tão boa como aquela que estava a ter nas corridas anteriores. 

Poucos dias antes, houve uma mudança na Jordan. Eddie Jordan tinha despedido Heinz-Harald Frentzen, afirmando estar descontente com a sua performance e iria ser substituído pelo brasileiro Ricardo Zonta, o piloto de reserva. Frentzen não ficou contente e decidiu contestar o seu despedimento nos tribunais. Anos depois, Eddie Jordan justificou, afirmando que a Honda, seu fornecedor de motores, queria um lugar para o seu protegido, Takuma Sato, e Jordan concordou que ele viesse para ali.    

No final da classificação, os Williams surpreendem toda a gente ao ficaram com a primeira fila da grelha, com Juan Pablo Montoya na pole, à frente de Ralf Schumacher. Mika Hakkinen foi o terceiro, na frente de Michael Schumacher, enquanto David Coulthard e Rubens Barrichello dividiam a terceira fila. Nick Heidfeld era sétimo, no seu Sauber, na frente do seu companheiro de equipa, Kimi Raikkonen, e a fechar o "top ten" estavam o Jaguar de Pedro de la Rosa e o Jordan-Honda de Jarno Trulli.


A largada foi confusa. Se na frente, os Williams não perdiam os lugares que tinham conseguido na grelha, atrás, Michael Schumacher tinha problemas na seleção da caixa de velocidades, e ficava para trás. Ele tentava assinalar o problema, mas quando chegou ao pé do Prost do brasileiro Luciano Burti, este não o viu a tempo e bateu nele com força, elevando-se momentaneamente no ar, e caindo no chão com estrondo, levando mais alguns carros pelo caminho, como o Arrows do seu compatriota Enrique Bernoldi. 

A bandeira vermelha foi logo mostrada, e Burti, bem como Schumacher, regressaram à corrida nos seus carros de reserva. Ao mesmo tempo, Barrichello tinha uma nova asa traseira, depois de ser tocado por Hakkinen.

Na segunda partida, os Williams mantiveram as suas posições, com Motoya na frente de Schumacher, começando a afastar-se do seu companheiro de equipa. Atrás, novo toque quando o Jaguar de Pedro de la Rosa tocou na traseira do Seuber de Heidfeld e ambos acabaram por abandonar a corrida. 

Nas voltas seguintes, os Williams mantinham-se na frente, com Barrichello em terceiro, depois de passar o McLaren de Hakkinen, que na volta 14, desistiu devido a uma fuga de óleo no seu carro. Duas voltas depois, Barrichello ia fazer o primeiro dos seus dois reabastecimentos, uma estratégia diferente dos Williams, por exemplo, que iriam parar apenas uma vez. 

Montoya parou para reabastecimento na volta 22, mas perdeu mais de vinte segundos devido a uma má manobra, que o fez perder a liderança para Ralf Schumacher, enquanto ele voltava à pista na quarta posição. A seguir, veio Michael Schumacher, mas um problema no sistema de pressão de combustível o fez abandonar a prova. Duas voltas depois, na 25ª passagem pela meta, o motor BMW de Montoya explode e Ralf fica ainda mais sozinho na frente. Na volta 27, foi a vez de Coulthard também abandonar, mais uma vitima de um motor rebentado.        


Até ao final, tudo calmo, e quando a bandeira de xadrez foi mostrada, Ralf vencia de forma imperial o seu Grande Prémio caseiro, 46 segundos na frente de Rubens Barrichello, o segundo classificado. Jacques Villeneuve, no seu BAR, era o terceiro, naquilo que viria a ser o seu último pódio da sua carreira. Nos restantes lugares pontuáveis estavam os Benetton de Giancarlo Fisichella e Jenson Button, e o Prost-Acer de Jean Alesi. 

Youtube Motorsport Video: Bump Day

"Bump Day" é o dia que existe na qualificação das 500 Milhas de Indianápolis onde os pilotos do fundo da grelha dão o seu melhor para lá se manterem, caso contrário, verão a corrida das bancadas. Ao longo de uma hora, este video mostra 23 momentos onde o "Bump Day" foi importante para marcar história, quer no campo dos milagres, quer no campo da farsa ou do da infâmia. 

E neste video poderemos ver gente como Bobby Rahal, Johnny Rutheford, a equipa Penske, e sim, Fernando Alonso. Mas também gente como Willy T. Ribbs e a sua qualificação de há 30 anos, um momento histórico no automobilismo americano.

quarta-feira, 28 de julho de 2021

A luta para ter espectadores em Zandvoort


Os organizadores do GP dos Países Baixos querem ter gente nas bancadas. E com muita razão. É que é a sua grande chance de ganharam muito dinheiro e também de mostrar um grande espetáculo ao mundo, 36 anos depois da última vez, e com algo inédito, que é ver um dos seus com chamces reais de ser campeão do mundo. 

Contudo, a pandemia estragou os seus planos de regresso em 2020 e está a dificultar os de 2021. É que neste momento, há dúvidas sobre quanta gente é que irá entrar no circuito de Zandvoort, se parte, totalmente... ou se haverá público nas bancadas. As autoridades do país estão preocupadas com o aumento do número de casos de covid-19, por causa da variante delta, e proibiram festivais de vários dias até, pelo menos, 1 de setembro, quatro dias antes da data marcada para a prova.

Apesar disso, os organizadores afirmam que, sendo uma organização desportiva, não estão abrangidos pelas restrições que as autoridades impuseram neste momento.

O GP dos Países Baixos é um evento desportivo, e portanto não é abrangido pela regulamentação dos festivais de música, com vários dias. Como organizador, confiamos nas regras e condições que o governo nos estabelecer e assumimos que as atuais medidas governamentais terão o efeito desejado e que as mesmas medidas poderão ser divulgadas após 13 de agosto para eventos desportivos organizados profissionalmente”, disse um porta-voz dos organizadores da corrida de Zandvoort ao jornal local De Limburger.

Resta saber sobre a evolução das coisas durante o próximo mês. Eles contam que o Grande Prémio possa encher os 105 mil lugares disponíveis ao longo dos três dias. 

Youtube Motoring Video: Gemballa, a preparadora perigosamente misteriosa

Da maré de preparadores que há nos quatro cantos do mundo, muitos especializaram-se em transformar Porsches 911, e um dos que mais deu nas vistas foi o alemão Uwe Gemballa, que nos anos 80 transformou muitos desses carros em máquinas que seguiam a tendência, com um toque de excentricidade. Mas o que poucos sabem é que Gemballa andou com gente... de qualidade duvidosa. E um dia, as coisas acabaram mal.

É sobre ele e a sua firma que esta semana, o pessoal do Donut Media decidiu falar neste video. 

terça-feira, 27 de julho de 2021

Noticias: Alpine gostaria de ter mais concorrência


Marcin Budkowski, diretor geral da Alpine, gostaria de ter mais fabricantes de motores na Formula 1 em 2025. Apesar de haver muita coisa para discutir entre os fabricantes e fornecedores de unidades motrizes, Budkowski afirmou que veria com bons olhos a entrada de novos intervenientes.

Penso que estes tipos têm sorte em não se envolverem em discussões porque são longas e serão longas”, começou por responder na conferência de imprensa de Silverstone, durante o fim de semana do GP britânico. “Mas piadas à parte, são importantes e estão realmente, no centro do que queremos que 2025 seja em termos do desporto. O motor está lá, há também a forma como queremos o conceito de carro porque tem que ser pensado como um todo, o conceito da sustentabilidade está lá e precisa de estar lá, precisa de ser uma parte importante do mesmo. Há, como é habitual na Fórmula 1, interesses diferentes dependendo também das pessoas que estão envolvidas. Seria óptimo ter novos fabricantes de motores e, como fabricante que está no desporto, gostaríamos de ter mais competição e mais fabricantes a chegar.”, continuou.

Budkowski deixou um aviso a quem queira entrar na competição. Quem entra não pode esperar vencer à primeira, e que os regulamentos não podem ser alterados apenas para criar interesse em certas marcas.

No mesmo sentido, tem de ser feito de forma a preservar o aspeto competitivo da Fórmula 1, da mesma maneira que uma nova equipa não esperaria ganhar de imediato. Estamos a falar de Otmar [Szafnauer] e dos objetivos para Aston Martin de ganhar o campeonato dentro de alguns anos. A Renault voltou há alguns anos e ainda estamos no caminho para sermos uma equipa vencedora de corridas. Da mesma forma para as unidades motrizes, tem de ser o auge do desporto motorizado. Tem de ser difícil, tem de ser exigente, tem de ser um fabricante de Fórmula 1, por isso também não podemos deixar que as regras fiquem parvas para fazer toda a gente feliz. Precisa de ser difícil e precisa de ser competitivo.”, concluiu.

WRC: Pai Rovanpera diz que filho quer ser campeão do mundo


Uma semana depois de Kalle Rovanpera ter sido o piloto mais jovem de sempre a conseguir uma vitória no WRC, o homem que o treinou desde os seus oito anos afirmou que o seu objetivo é de ser campeão do mundo. Harri Rovanpera, pai de Kalle e vencedor de provas no WRC, disse que este triunfo ajudou a aumentar a sua autoconfiança e depois da conseguido este feito, o objetivo do campeonato tornou-se o patamar seguinte.

Acho que Kalle tem velocidade para fazer um bom rali em qualquer lado, e agora ele tem mais condições para o fazer. Um dos pontos que acho importante é que temos uma forte rede de apoio, na forma de amigos e familiares, que facilmente lhe desviam a atenção dos ralis, quer as provas tenham corrido bem ou mal. O Kalle tem muitos amigos por perto e os seus próprios hobbies. Ele é muito calmo. Normalmente, ele não pensa muito no que aconteceu depois de um rali, e passa logo a olhar para o futuro”, afirmou o pai Rovenpera.

E o campeonato? Para o pai, afirmou que é natural, mas avisou que há muito talento que nunca o alcançou. "Claro, sabemos que há muitos pilotos realmente bons, que nunca conquistaram um título de Campeão do Mundo. No entanto, esse é o objetivo do Kalle, o único”, concluiu.

Resta dizer que Kalle Rovanpera é o atual quarto classificado do campeonato, com 82 pontos, numa altura em que o WRC ruma a paragens belgas para lá correrem no fim de semana de 13 a 15 de agosto. 


segunda-feira, 26 de julho de 2021

A ideia de um GP do Qatar


Sabem quantos circuitos de Grau 1 aprovados pela FIA existem na Península Arábica? Seis. Há um no Kuwait, outro no Qatar, um terceiro no Bahrein - nas suas multiplas versões - outro no Dubai e um quinto em Abu Dhabi. O sexto circuito será inaugurado no final deste ano em Jeddah, para a edição inaugural do GP da Arábia Saudita.

Desses, só três estão no calendário: Bahrein, Abu Dhabi e agora, Jeddah. Mas poderia haver desde há algum tempo um quarto circuito no calendário, mas não acontece por razões politicas. O circuito de Losail, no Qatar, acolhe frequentemente o MotoGP - este ano até acolheu por duas vezes - mas nunca acolheu nem a Formula 1, nem a Endurance. E isso acontece porque há uma rivalidade com o seu vizinho do Bahrein, que tem o circuito de Shakir. Se lá não há a MotoGP ou o WTCR, o Mundial de turismos, é porque existe uma partilha implícita entre ambos os países: se um tem determinada competição, outro não tem.

Mas a pandemia pode mudar as coisas. Com o GP da Austrália cancelado, a a Liberty Media com vontade de fazer as 23 corridas do calendário, dê por onde der, a ideia de ter corridas no Médio Oriente é cada vez mais real. A coisa poderá passar por Shakir, que já acolheu por duas vezes um Grande Prémio em 2020. Em 2021, já recebeu o GP local, e para o final do ano, querem ter algo que complemente o GP da Arábia Saudita, que acontecerá a 5 de dezembro. Nova corrida no Bahrein é possivel, mas também se fala muito de uma prova do Dubai... e a chegada da competição a Losail.

E quem está a puxar por isso é muita gente. A começar por Stephen Ross, o promotor do GP de Miami, que se estreará em 2022. Ross é dono da empresa de marketing RSE Ventures, que pertence parcialmente ao fundo soberano qatari, e em 2015 tentou comprar a Formula 1 à CVC Capital Partners, sem sucesso. Ross, que também é o dono do clube de futebol americano Miami Dolphins, quer ajudar os seus parceiros para obter esta possibilidade, e tem a ajuda do Grupo Volkswagen, que é parcialmente detida (14,5 por cento) pelos qataris. O atual CEO da Formula 1, Stefano Domenicalli, foi anteriormente o presidente da Lamborghini, uma das marcas do Grupo VAG, e poderá fazer "lobby" para que eles entrem. 

Segundo conta o site racefans.com, Domenicalli poderá aceitar o Qatar como forma de atrair uma - ou algumas - marcas do Grupo para a Formula 1, agora que há um teto de gastos, e a Audi está a desinvestir na Formula E a favor da Endurance, como está a fazer a Porsche, embora esta última esteja a fazer sem se desligar da competição elétrica. E para melhorar as coisas, a situação politica no Médio Oriente está mais desanuviada, porque o bloqueio que os restantes países do Golfo, a começar pela Arábia Saudita, ao Qatar, devido ao apoio ao Irão nos diversos conflitos, a começar pelo Iémen, onde há uma guerra civil desde 2014, já foi levantado. Para além disso, quando a Formula 1 passou a ir ao Bahrein, Bernie Ecclestone agradeceu a ajuda - e os petrodólares - barenitas, imponto um veto não declarado à ida da Formula 1 ao seu vizinho um pouco maior. 

Contudo, Bernie está fora de cena desde 2017 e agora, já não há obstáculos de monta para uma ida inédita ao emirado que em 2022 acolherá o Mundial de Futebol e tem ambições de acolher os Jogos Olímpicos a partir de 2036. Veremos se isso acontecerá.