sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Depois dos tabacos, os bancos?

O ex-piloto e actual comentador da TV alemã Marc Surer disse ontem á agência alemã SID que os bancos poderão abandonar os patrocinios da Formula 1 dentro em breve. Depois de se saber que os suiços da Credit Suisse e os holandeses da ING irão abandonar a Formula 1 no final deste ano, e da Royal Bank of Scotland ir pelo mesmo caminho (os rumores são imensos nas últimas semanas), Surer diz que os bancos abandonarão os patrocinios chorudos no automobilismo devido à crise mundial.

"A festa acabou. Todos os bancos vão desaparecer, mas, tal como a Formula 1 sobreviveu ao fim dos patrocínios do tabaco, também agora irão encontrar algo de novo", afirmou.


Contudo, como se sabe, nem todas as entidades bancárias tem planos de abandono. E o melhor exemplo disso é o bamco espanhol Santander, que já reforçou o seu apoio na Formula 1, e vai a partir de 2010 apoiar a Ferrari, em substituição da tabaqueira Marlboro. Há quem resista...

2 comentários:

Paulo Maeda disse...

Realmennte Speeder, a F1 sempre dá um jeito. Há pouco tempo atrás as empresas de TI estavam iniciando a sua era na F1, mas com a crise... mas pra tudo dá-se um jeito e a F1 dará.

Felipe Maciel disse...

A diferença é que as empresas de tabaco saíram por causa da campanha antitabagista, se depedesse só delas poderiam continuar. No caso dos bancos é um problema sério, porque são efeitos da crise, que dificultam a entrada de patrocinadores. Tempos difíceis esses...