quinta-feira, 25 de junho de 2009

O homem do dia - Amedeé Gordini

O automobilismo é muito mais do que máquinas, circuitos e pilotos. Também existem os homens que, apaixonados pelo automobilismo, decidiram dedicar a sua vida aos seus aspectos técnicos, ajudando a criar, a partir do seu génio, máquinas e técnicas que para nós, hoje em dia nos parecem banais. E que provaram essa genialidade nas estradas e pistas de todo o mundo. E o homem que falo hoje, nasceu há precisamente 110 anos num país, a Itália, mas que se consagrou noutro, a França. Hoje é dia de falar de Amedeé Gordini.


Baptizado como Amadeo Gordini, nasceu em 23 de Junho de 1899 na cidade de Bazzano, no norte da Itália. Cedo ficou órfão de pai e mãe, sendo assim foi parar a uma instituição. Aos dez anos, foi conduzido pelas entidades a trabalhar como aprendiz de mecânico numa oficina da FIAT, onde conhece Edorardo Weber, que mais tarde funda a empresa de carburantes Weber. Por obra do destino tornaram-se amigos. Em 1913, com 14 anos de idade, vai para a Isotta Fraschini, sob a batuta de Alfieri Maserati, um dos irmãos que fundará, um ano depois, com os seus irmãos, a famosa empresa de carros desportivos. Mobilizado na I Guerra Mundial, foi trabalhar como mecânico no Exército na frente italiana.


Em 1918, após o final da Guerra, regressa ao seu trabalho na Isotta, mas começava a fazer preparações especiais em carros FIAT e os inscrevia em competições regionais. No início dos anos 20, muda-se para Mântua, onde trabalhou numa das mais famosas empresas automobilísticas e aeronáuticas da época: a Hispano-Suiza. Continua a preparar os seus carros para as competições e em 1925 faz uma viagem de negócios a Paris. Apaixona-se pela Cidade-Luz, e decide mudar-se para Sursenes, nos arredores da cidade. Decide pedir a nacionalidade francesa e até muda de nome: passa a ser Amedeé Gordini.


Começando com poucos recursos financeiros, mas muita imaginação e esforço fisico, preparou um de seus primeiros sucessos: o pequeno e eficaz Fiat Balilla 508 S. Com preparações devidas, no motor e nos carburadores, conseguiu aumentar a sua potencia de 20 para 36 cavalos. Inscreveu-o no Bol d'Or, e venceu na sua categoria. Também venceu na Bélgica no mítico circuito de Spa-Francorchamps e na França em Reims e em Miramas, na região da Provence.


As suas realizações desportivas chama a atenção de várias pessoas, entre os quais outro expatriado italiano, Henri Theodore Pigozzi, que tinha fundado a Société Industrielle de Mécanique et de Carrosserie Automobile, mas que ficou comercialmente conhecida pelas sua sigla: SIMCA. Tal como Gordini, Pigozzi também tinha trabalhado para a FIAT (tinha sido seu representante na França), e queria apresentar a sua nova marca nas pistas. Sendo assim, pediu a Gordini para ajudar a fundar e desenvolver um departamento de competição, sob sua direcção. Gordini aproveitou a oferta e em 1937 faz uma versão modificada do Simca 5.


Com um motor de 568 cc, Gordini modifica-o, dando-lhe mais cavalos, e inscreve-a nas 24 Horas de Le Mans, onde vence na sua categoria. Para além disso, leva-o para o Audódromo de Montlhery, nos arredores de Paris, onde bate o redorde mundial de maior distância, onde faz 4950 km em 48 horas. Esta performance faz com que lhe comecem a chamar de "Le Sorcier" (O Feiticeiro).


A II Guerra Mundial interrompe as actividades da SIMCA e da Gordini, mas quando esta termina, em 1945, Gordini regressa à competição, desta vez construindo chassis para a competição, nomeadamente os Grand Prix. quando a formula 1 começa, em 1950, constroi o Type 15, onde representa as cores francesas ao lado da Talbot-Lago. quando esta se retira, no final de 1950, a Gordini fica. Mas as tensões com Pigozzi e a Simca, relacionadas com a competição (Pigozzi não queria estar na Formula 1, Gordini sim), levaram a que a parceria fosse desfeita em 1951.


Assim sendo, continua em 1952, desta vez sozinho, e desenvolve o Type 16, que nesse ano consegue os melhores resultados de sempre na Formula 1: dois terceiros lugares, um para Robert Manzon e outro para Jean Behra. Também consegue acabar as 24 Horas de Le Mans no sexto posto, e o melhor na categoria de 2.5 litros. Isso tudo fez com que fosse condecorado no ano seguinte com a Legião de Honra.


Mas todas estas honras não impulsionam os sucessos na pista. Apesar de lançar o Type 32 em 1954, os resultados são mediocres e em 1957, decide encerrar as suas actividades na Formula 1. Pouco depois, a Renault o contacta a pedir para tomar conta do seu departamento de competição, no sentido de fazer versões alimentadas dos seus modelos. Em 1958 pega no Renault Dauphine, de motor traseiro, acrescenta-lhe dois carburadores e mais oito cavalos ao original, e leva-o a competição, onde ganha o Rally de Monte Carlo e a Volta à Corsega daquele ano.


Em 1962, a Renault lança no Salão de Paris o Renault 8, um carro de três volumes sem maiores pretensões em termos de potência. Contudo, pediram a Amedeé Gordini para que o transformasse em um carro veloz, estável e acessível para quem desejasse emoções fortes ou quisesse se iniciar na competição automóvel. Assim sendo, em 1964 era lançado o R8 Gordini, e foi uma “pedrada no charco” naquele tempo. A versão com a cor azul França foi a preferida, pois tinha duas faixas finas, de cor branca, sobre todo o carro, do “capot” até a tampa traseira.


Para incentivar os jovens franceses a iniciar na competição, criou-se em 1966 a Taça R8 Gordini, que se realizava nos vários circuitos espalhados pela França (Charade, Reims, Rouen...), e permitou a iniciação automobilística de pilotos que marcaram as pistas e as classificativas de todo o mundo nas décadas de 70 e 80, espalhando o nome da França em todo o Mundo. Patrick Depailler, Jean-Pierre Jabouille, Michel Leclere e Jean-Pierre Jarier, nos automóveis, Jean Ragnotti, Jean-Luc Therier, Bernard Darniche, nos ralies, foram alguns dos que iniciaram ou desenvolveram a sua carreira competitiva neste modelo preparado pela Gordini.


Em 1969, a Renault compra de vez a Gordini e incopora-o no seu departamento de competição. No ano seguinte, lançam o Renault 12 Gordini, mas o impacto é menor do que no modelo anterior. Mas isso não o impede de alcançar mais sucessos. A partir de 1975, envolvem-se na Endurance, nomeadamente com o modelo Alpine A442, para tentar ganhar as 24 horas de Le Mans. Ao mesmo tempo que isso acontecia, começam sériamente a pensar usar o seu pequeno, mas potente motor V6 Turbo para a aventura da Formula 1. O projecto começa no final de 1975, e estreia-se no GP de Inglaterra de 1977, ás mãos de Jean-Pierre Jabouille. No ano seguinte, ás mãos de Didier Pironi e Jean-Pierre Jassaud, o A442 vence por fim as 24 Horas de Le Mans, alcançando o objectivo de ver um carro francês a vencer a mítica prova de resistência.


Tudo isso Amedeé Gordini ainda teve tempo de assistir, como um amante intenso de carros e das corridas. Gordini acabou por morrer a 25 de Maio de 1979 em Paris, aos 79 anos de idade, na cidade que escolheu viver, e no país que adoptou como pátria. A sua sepultura encontra-se no Cemitério de Montmartre. O local onde montou a sua oficina, em Sursennes, chama-se agora Place Amédée Gordini.


Fontes:

http://fr.wikipedia.org/wiki/Amédée_Gordini
http://autosport.aeiou.pt/gen.pl?p=stories&op=view&fokey=as.stories/65810
http://autosport.aeiou.pt/gen.pl?p=stories&op=view&fokey=as.stories/58272

3 comentários:

Alexandre Carvalho disse...

Excelente post, Speeder. Trabalho bem minucioso.

Outros aniversariantes famosos de hoje são o Johnny Herbert e o Patrick Tambay, que chegou aos 60 anos. Acabei de publicar um post sobre o piloto francês: http://migre.me/2PyI

Speeder_76 disse...

Obrigado, Alex. Tava a ver que ninguém comentava... LOL!

Tenho guardados no arquivo outras personagens como ele: Karl Abarth, Ferruchio Lamborghini... já publiquei as biografias do Ken Tyrrell, Colin Chapman, Guy Ligier e Alfred Neubauer, por exemplo. São bons exercícios.


Sobre o Herbert e o Tambay, já tinha publicado biografias sobre eles. São dois bons segundos pilotos, que marcaram uma época e que tiveram oportunidade de vencer corridas. Principalmente o Herbert, que caso não tivesse acontecido aquele acidente em Brands Hatch, provavelmente teria sido melhor do que foi.

Cezar Fittipaldi disse...

Òtimo texto, Paulo. Muito bom mesmo, parabéns. Me lembro de um pequeno Gordini na família, quando era pequeno....

abraços