domingo, 19 de agosto de 2018

Noticias: Vergne confessa ter sido abordado para 2019

Jean-Eric Vergne confessou que foi abordado por uma equipa de Formula 1 para voltar a correr em 2019. Numa entrevista ao site crash.net, este fim de semana em Silverstone, onde participa nas Seis Horas, prova do Mundial de Endurance, o piloto francês, campeão da Formula E em 2017-18, disse que o regresso à Formula 1 é uma possibilidade, apesar de não ter dito se era ou não a Toro Rosso.

É uma possibilidade. É engraçado como o mundo do automobilismo muda”, começou por dizer Vergne ao site britânico. “Quando você muda seu estado de espírito e como você trabalha, você vê os resultados de imediato. Percebe como as pessoas olham para ti e como elas falam de. Quando começas a representar uma marca, isso muda muitas coisasHá três anos, acho que ninguém teria me chamado da Formula 1 e dito: 'você tem um contrato para a próxima temporada?', Então é ótimo", continuou.

Vergne espera que a Formula 1 mude um pouco para adoptar coisas dos quais a Formula E anda a viver neste momento.

A Fórmula E tem uma coisa boa. Com a nossa equipa, é como se a Marussia tivesse vencido na Fórmula 1. Seria impossível [naquela competição]. Mas talvez isso possa mudar. Talvez algumas equipas possam aumentar seus jogos e começar a lutar por vitórias novamente. É algo que me interessaria, ter outro novo grande desafio. Desta vez, acho que tenho todas as ferramentas à minha disposição para fazer um bom trabalho na Formula 1”, afirmou.

Apesar de ter saído pela porta pequena no final de 2014, depois de três temporadas na Toro Rosso, Vergne não tem ressentimentos pela Formula 1.

"Na minha opinião, estou feliz onde estou. Eu não sou amargo. Eu vejo meu ex-companheiro de equipe, Daniel, vencendo corridas. Eu estava no Mónaco [quando venceu] e estava tão feliz por ele. Eu poderia ser amargo, dizendo: 'Eu estava batendo ele, eu estava lado a lado, e agora está ganhando e tem esse contrato e este futuro.'

"Eu não sou amargo em tudo. Estou muito feliz com o que tenho. Eu acho que as coisas acontecem por um motivo. Quem sabe onde ele estará daqui a dez anos e onde eu estarei daqui a dez anos?Então, não, eu não estou mais infeliz. Eu aprendi com meus erros, aprendi com as coisas ruins que aconteceram e sou realmente grato pelo que aconteceu comigo. Mas agora, se [aparecer] uma boa oportunidade na Fórmula 1, consideraria isso."

Youtube Formula One Classic: 1973, GP da Áustria


Duas semanas depois de Jackie Stewart ter vencido de forma convincente o GP da Alemanha, em dobradinha com Francois Cevért - segunda consecutiva da Tyrrell - máquinas e pilotos estavam em Zeltweg para o GP da Áustria, numa altura em que o campeonato começava a ser decidido a favor do piloto escocês. E Emerson Fittipaldi tinha aqui a sua última grande chance de alcançar o escocês no comando.

Aqui coloco, ao vivo e a cores - sem narração - a corrida completa do campeonato de 1973, onde José Carlos Pace iria obter pela segunda corrida consecutiva a volta mais rápida, e o seu primeiro pódio, um terceiro posto com o seu Surtees, atrás apenas do vencedor, o sueco Ronnie Peterson, e do segundo classificado, Jackie Stewart

Eis a corrida na íntegra.

sábado, 18 de agosto de 2018

WRC 2018 - Rali da Alemanha (Dia 2)

Ott Tanak continua a dominar o Rali da Alemanha, acabando o segundo dia com uma vantagem de 43,7 segundos sobre o espanhol Dani Sordo e de 44,5 segundos sobre o outro Toyota de Jari-Matti Latvala. Sebastien Ogier atrasou-se na luta pela vitória e acabou o dia a quase dois minutos, no oitavo posto.

Com um duelo a três no final do primeiro dia, o segundo começou com Ogier ao ataque à liderança, apesar de na primeira classificativa do dia, o melhor foi Jari-Matti Latvala, 0,1 segundos na frente de Dani Sordo e 0,8 sobre Craig Breen, o terceiro na especial. Ogier foi apenas quarto, perdendo 1,5 segundos, mas na frente de Tanak, a 3,2.

A seguir, Sordo vencia na passagem por Panzerplatte, 0,6 segundos na frente de Ott Tanak e 3,2 sobre Sebastien Ogier. Neuville perdia 6,5 segundos e agora era pressionado por Dani Sordo para o terceiro posto. A seguir, Lappi vencia na primeira passagem por Freisen, 1,3 segundos na frente de Latvala e 2,4 sobre Sebastien Ogier. Neuville perdia 7,4 segundos e agora os Hyundai eram pressionados por Jari-Matti Latvala. E Lappi não estava longe, dez segundos atrás.

O final da manhã tinha a passagem por Römerstrasse, onde Breen foi o melhor, 0,3 segundos na frente de Lappi e 0,5 sobre Tanak. Latvala foi apenas quinto, 1,6 atrás, mas foi o suficiente para subir ao terceiro posto, passando os Hyundai, com Sordo e Neuville oitavo e nono na especial, respectivamente. Elfyn Evans saiu de estrada e danificou a suspensão do seu Ford Fiesta WRC.

A parte da tarde mostrava a segunda passagem pelas classificativas da manhã, e no Arena Panzerplatte, Dani Sordo foi o melhor, batendo Ogier por 0,2 segundos, e Tanak, que ficou a 0,7. Neuville ficou apenas no sexto posto, a 3,1 segundos, e perdeu o terceiro posto para o seu companheiro de equipa espanhol.

Sordo voltou a vencer em Panzerplatte, numa especial onde Ogier furou e perdeu um minuto e 43 segundos, caindo para o nono posto. "Não sei como aconteceu, [estávamos na] mesma linha como sempre. Sabemos que é um pouco de lotaria com as pedras", disse o francês.

Até ao final do rali, Ogier tentou recuperar o tempo perdido, vencendo ambas as especiais que faltavam para acabar o dia, enquanto Tanak geria a diferença para a concorrência, que via Neuville ver o pódio cada vez mais longe por causa de Latvala. 

No final do dia, depois dos três primeiros, está Thierry Neuville no quarto posto, a 52,3 segundos, não muito longe de Latvala. Também não muito longe do belga da Hyundai está Esapekka Lappi, no seu Toyota, a um minuto e quatro centésimos. Craig Breen é o sexto, no melhor dos Citroen, a um minuto e nove segundos, já distante de Andreas Mikkelsen, a um minuto e 49,2 minutos. Sebastien Ogier é oitavo e a fechar o "top ten" estão o Ford de Teemu Suninen e o Citroen de Mads Ostberg.

O rali da Alemanha termina amanhã, com a realização das últimas três especiais. 

Vergne: "As pessoas vão ficar espantadas com o Gen2"

Jean-Eric Vergne acredita que os novos carros da Formula E irão surpreender muita gente. Numa entrevista à Autosport britânica, o atual campeão da competição, e piloto da Techeetah, afirma que os novos carros, que se estrearão no final do ano, serão bastante velozes e melhores do que os usados anteriormente. E a organização dará um pulo de qualidade em relação do que é agora, agora que concentrou muitos fabricantes.

"Acredito que as fundações da Fórmula E estão [agora] aqui", começou por dizer Vergne numa entrevista à mesma publicação. "É como construir uma casa muito bonita com fundações muito fortes - pode haver vento, trovoadas ou qualquer outra coisa [mas] ela vai ficar lá porque é o que é agora", continuou.

"Temos muitos fabricantes no campeonato e acho que a partir da próxima temporada, o nível da Fórmula E vai aumentar massivamente e todos ficarão espantados. Da mesma forma que as pessoas ficaram espantadas nas primeiras temporadas, quando as pessoas acreditavam que a Fórmula E iria fracassar, nunca iria [estar] aonde está hoje. E agora as pessoas começam a dizer que a Fórmula E não pode aumentar ou não pode melhorar porque é impossível, porque [a fasquia] já é muito alta".

"Mas acho que o passo que a Fórmula E dará no ano que vem, com a Gen2 e uma organização melhor e coisas maiores, [ela] será absolutamente impressionante. A Fórmula E ainda tem muitas surpresas para [mostrar] ao mundo e estou muito orgulhoso e muito feliz por fazer parte do campeonato", concluiu.

O novo campeonato começará em dezembro nas ruas de Riade, a capital saudita, com uma jornada dupla.

Noticias: Alonso vai testar o carro da IndyCar em Barber

Fernando Alonso vai ter nova oportunidade de andar com o carro da IndyCar no mês que vêm no circuito de Barber International. A 5 de setembro, o piloto espanhol da McLaren terá o seu teste um ano e pouco depois da sua experiência nas 500 Milhas de Indianápolis, dado que este ano a competição trocou de carro.

"Fernando Alonso é um dos melhores pilotos desta geração, e nós realmente gostamos de trabalhar com ele nas 500 Milhas de Indianápolis em 2017", disse o presidente da Honda Performance, Art St. Cyr, no comunicado oficial.

"Ele mostrou que pode ser muito competitivo desde o início, e seria ótimo para a IndyCar se ele decidisse estar aqui a tempo inteiro após sua carreira na Fórmula 1. Ter Alonso como piloto seria um benefício óbvio para qualquer equipa ou fabricante", acrescentou.

Vai ser após esse teste que decidirá o que fazer no futuro. Se ficar na IndyCar, resta saber se vai para a Harding Racing - apesar de neste momento usar motores Chevrolet - ou montará uma aliança com a McLaren e a Andretti Racing, que tem motores Honda, para tentar toda a temporada e claro, as 500 Milhas de Indianápolis.

sexta-feira, 17 de agosto de 2018

A imagem do dia

O fim de semana de Bruno Senna acabou antes de começar. Nesta sexta-feira, durante os treinos livres para as Seis Horas de Silverstone, o piloto brasileiro perdeu o controlo do seu TVR-Rebellion na curva Copse, bateu forte nos pneus e acabou por fraturar o tornozelo direito, ficando de fora o resto do fim de semana.

Formando trio ao lado do suíço Neel Jani e do alemão André Lotterer, ainda não se sabe como é que a equipa irá reagir a esta contrariedade, se vão buscar outro piloto para o resto do fim de semana britânico ou irão ver tudo das bancadas como toda a gente. 

Uma coisa é certa: o fim de semana para aqueles lados não começa bem para eles. E como sabem, este é o segundo acidente grave envolvendo um piloto brasileiro num fim de semana de Endurance. Em maio, Pietro Fittipaldi, neto de Emerson Fittipaldi, fraturou ambas as pernas quando bateu forte com o seu LMP2 na curva Radillon durante os treinos para as Seis Horas de Spa-Francochamps, ficando de fora durante cerca de dois meses, até voltar ao volante de um IndyCar em meados do mês passado. 

Esta tarde, Bruno sofreu menos, é verdade, mas só mostra que o automobilismo continua a ser perigoso. E por muitos que se reforce, estes incidentes continuarão a acontecer.

WRC 2018 - Rali da Alemanha (Dia 1)

Ott Tanak lidera o Rali da Alemanha, cumpridas que estão as primeiras sete especiais da competição. O piloto estónio da Toyota, embalado pela sua vitória na prova anterior, na Finlândia, tem agora uma vantagem de 12,3 segundos sobre Sebastien Ogier e 27,4 segundos sobre Thierry Neuville, num duelo a três, entre os melhores pilotos da temporada, e em três máquinas diferentes: Hyundai, Ford e Toyota.

Depois de Tanak ter vencido a especial de abertura, em St. Wendel - com 0,1 segundos de vantagem saobre... Kalle Rovanpera - o rali começou esta manhã com as primeiras passagens por Stein und Wein, Mittelmosel e Wadern-Weiskirchen. Na PEC2, Ogier atacou, vencendo a especial com um segundo de vantagem sobre Thierry Neuville e 1,7 segundos sobre Tanak, fazendo com que o francês ficasse à frente. Latvala era o quarto, a 4,8 segundos. 

Tanak venceu em Mittelmosel, com cinco segundos de vantagem sobre Ogier e recuperando a liderança, enquanto Neuville perdia 7,3 segundos, com a suspeita de um vazamento na sua caixa de velocidades. “Foi apenas um pequeno vazamento. Para além disso, havia um pouco de óleo no pára-brisas, por isso era difícil guiar, mas não fui muito incomodado”, disse Neuville, no final.

O estónio da Toyota começava a abrir uma pequena vantagem, enquanto Elfyn Evans era quarto na especial, com 8,3 de desvantagem. 

Tanak acabava a manhã a vender de novo, na PEC4, conseguindo 1,8 segundos de vantagem sobre Esapekka Lappi, mas sobretudo, uma vantagem de 2,3 sobre Thierry Neuville e três segundos sobre Sebastien Ogier. Assim, o estónio acabava a manhã com uma vantagem de 7,3 segundos sobre o francês da Ford e 10,9 sobre o belga da Hyundai. Esapekka Lappi era o quarto, a 19,7 segundos do líder.

Não é fácil guiar neste tipo de estradas, mas eu tinha um carro bom e tudo evoluiu em bom ritmo. A estabilidade do carro melhorou a cada troço”, disse Tänak.

Na parte da tarde, com as segundas passagens pelas especiais da manhã, Tanak continuou ao ataque, vencendo as duas primeiras e alargando a sua vantagem para 9,1 segundos sobre Ogier, enquanto Neuville tinha agora 23,1 segundos para tentar apanhar o estónio. Evans agora era quarto, depois de apanhar o segundo Toyota de Jari-Matti Latvala.

No final do dia, a segunda passagem por Wadern-Weiskirchen, Tanak venceu de novo, 2,1 segundos na frente do seu companheiro Esapekka Lappi, 2,3 sobre Dani Sordo, no seu Hyundai, e 3,2 sobre Sebastien Ogier, o quarto na especial. 

Depois dos três primeiros, o quarto é o galês Elfyn Evans, no segundo Ford oficial, a 37,8 segundos, tentando destacar-se de um grupo de pilotos que andam muito próximos uns dos outros. Jari-Matti Latvala é quinto, exatamente um segundo mais atrás do piloto galês da Ford. Dani Sordo é sexto, a 42,7, no seu Hyundai, com Esapekka Lappi logo atrás, 0,7 segundos do piloto espanhol. Craig Breen é oitavo, a 58 segundos e a fechar o "top ten" está Andreas Mikkelsen, a 59 segundos, e Teemu Suninen, a um minuto 21,4 segundos.

O rali da Alemanha prossegue amanhã, com a realização de mais oito especiais. 

WEC: Saiu o novo calendário da Endurance

Com o Mundial de Resistência a voltar este fim de semana em Silverstone, a FIA divulgou hoje o calendário para a temporada de 2019-20, com a realização de oito corridas, e as novidades são o regresso do Brasil e do Bahrein no calendário. Para além disso, o campeonato passa por Fuji, Xangai e Sebring, nos Estados Unidos.

Estamos muito felizes por apresentar um calendário que não só oferece uma estabilidade e familiaridade apreciáveis, mas também  que reflecte os tempos que vivemos, respondendo aos desejos dos muitos adeptos da disciplina em todo o mundo. Com as 24 Horas de Le Mans como destaque e, também, como fecho de temporada, o WEC continua a oferecer acesso ao mais aberto e competitivo campeonato, apresentando aos construtores a montra perfeita para os seus produtos. As revisões feitas aos formatos da corridas podem fazer lembrar as corridas de resistência do passado, mas sem nunca parar de olhar para o futuro para assegurar um campeonato competitivo, sustentável e relevante no universo do desporto automóvel. O início da nova temporada será no dia 9 de setembro de 2019 e estamos ansiosos que esse dia chegue”, referiu Pierre Fillon, presidente do Automobile Club de l’Ouest (ACO).

Os nossos adeptos falaram, escutámos e reagimos. Naturalmente que tivemos um período de consulta com os nossos parceiros e concorrentes por isso acreditamos que este calendário irá satisfazer as suas expectativas e exigências, bem como deixar os adeptos muito satisfeitos, algo que é muito importante para nós. Para a edição 2020-2021, temos o objectivo de adicionar mais uma prova para que quase todos os meses tenhamos algo para dizer e fazer sobre o WEC”, continuou Gerard Neveu, CEO do WEC.

Eis o calendário - provisório - da nova temporada do WEC:

1 de setembro - Quatro Horas de Silverstone (Reino Unido)
13 de outubro - Seis Horas de Fuji (Japão)
17 de novembro - Quatro Horas de Shangai (China)
14 de dezembro - Oito Horas do Bahrain (Bahrain)
1 de fevereiro - Seis Horas de Interlagos (Brasil)
março - Oito Horas de Sebring (1000 Milhas) (EUA)
3 de maio - Seis Horas de Spa Francorchamps (Bélgica)
13-14 junho - 24 Horas de Le Mans (França)

Noticias: Família desmente transferência de Schumacher para Maiorca

Afinal de contas, Michael Schumacher fica na Suíça. As noticias de que ele poderia ser transferido a qualquer momento de Gland para Andratax, na ilha de Maiorca, afinal, não são verdade. “A família Schumacher não tem qualquer intenção de se mudar para Maiorca”, indicou a porta-voz da família, Sabine Kehm, numa mensagem de correio eletrónico enviada à AFP.

Segundo tinha avançado o semanário suíço L'Illustré, a família do ex-piloto tinha comprado uma extensa propriedade em Andratx, que pertencia ao presidente do Real Madrid, Florentino Pérez. E tinha citado a autarca local, Katia Rouarch, que tinha dito de que tinham sido avisados da iminente chegada de um helicóptero com Schumacher, depois de feitas as obras de adaptação à nova casa.

Neste momento, a familia Schumacher vive numa mansão em Gland, propriedade adquirida pelo próprio em 2002 e que está presente desde que sofreu o seu acidente nos Alpes suíços, em dezembro de 2013. Depois de seis meses no Hospital Universitário de Grenoble, foi transferido para Lausanne, antes de ir para a sua casa, que sofreu obras de adaptação para o receber.

Youtube Karting Electric: K1 Speed, o kart elétrico

A cada ano que passa, os karts elétricos vão se tornar norma nos vários kartódromos no mundo, sejam outdoors, sejam indoors. Aliás, em outubro, nos Jogos Olimpicos da Juventude, em Buenos Aires, vão ser uma modalidade de demonstração com vista a um dia - talvez na edição de 2024 - ser modalidade real.

Assim sendo, o Zac e o Jesse, pai e filho, do canal do Youtube "Now You Know", decidiram experimentar o K1 Speed, um dos muitos karts elétricos que começam a aparecer por aí. Foram testá-lo um kart indoor em Wilmington, no Massassuchets, e o resultado foi este video.   

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

O futuro de Alonso vai ser americano?

Agora que sabemos que Fernando Alonso estará fora da Formula e desde 2002, todos dizem que o espanhol de 37 anos tem um destino em mente: os Estados Unidos. Correr na IndyCar, mas sobretudo, nas 500 Milhas de Indianápolis. Todos têm a consciência de que, quando - ou caso se confirme - a sua ida aos Estados Unidos, o seu impacto será semelhante ao que foi quando em 1993, Nigel Mansell decidiu correr na CART ao serviço da Newman-Haas.

Segundo conta ontem o site brasileiro Grande Prêmio, Alonso irá correr pela Harding, numa aliança entre a McLaren e a Andretti, correndo com motores Chevrolet. Uma espécie de "equipa B", que poupa ao "embaraço" de correr com motores Honda, marca do qual o piloto fez imensos comentários negativos durante os anos em que estiveram na McLaren.

A Harding nasceu em 2017 graças aos esforços de Mike Harding, amigo pessoal de Michael Andretti. Esta temporada conta com os serviços do colombiano Gabriel Chaves e do americano Connor Daly - filho de Derek Daly, piloto da Hesketh, Ensign, Tyrrell, March, Theodore e Williams entre 1978 e 1982 - e possivelmente, o canadiano Zachary Claman DeMelo poderá ter uma chance de correr na parte final da temporada. Os resultados têm sido discretos - nenhum "top ten" em 2018 - mas as coisas podem mudar completamente em 2019, com o apoio da McLaren e da Andretti, transformando-a numa equipa B, dando a ele oportunidades iguais de mostrar o seu talento ao pelotão da IndyCar.

E ainda poderá haver um segundo carro, cujo lugar pode ser quer para o americano Colton Herta, filho de Bryan Herta, quer para o mexicano Patricio "Pato" O'Ward, que tem bom dinheiro vindo da sua terra.

Claro, os americanos estão ansiosos. Têm plena consciência do impacto de Alonso nos Estados Unidos, especialmente numa série como a IndyCar. De uma certa forma, seria o regresso aos anos 90 quando a CART (Championship Auto Racing Teams) conseguiu rivalizar com a Formula 1 com nomes como Mansell, Emerson Fittipaldi, Mário Andretti, Bobby Rahal ou mais tarde, Alex Zanardi e Juan Pablo Montoya, para não falar de Al Unser Jr e Paul Tracy, antes da cisão que deu origem à IRL.

Na Racer, Robin Miller e Marshall Pruett escreveram sobre isso e confirmam a ideia de que tal transferência teria alto impacto. Mas Zak Brown coloca água na fervura sobre esse assunto. 

"Eu não gostaria de apostar na probabilidade da McLaren e Fernando ingressarem na IndyCar", começou por dizer Zak Brown à publicação americana. “A IndyCar está em revisão há algum tempo. Nós gostamos da IndyCar, e Fernando tem o desejo de ganhar a tripla coroa e mostrou interesse em competir na série. No momento, acho que ele está tirando um momento para refletir sobre sua brilhante carreira na Formula 1 e o que ele gostaria de fazer no futuro", continuou.

Neste momento, estamos focados na Fórmula 1 para fazer com que nossa equipa volte a ser competitiva. Fizemos muitas mudanças em nossa equipa de Fórmula 1 e ainda estamos nas férias de verão, então, assim que voltarmos às corridas e estivermos um pouco mais desenvolvidos em nossos planos de Formula 1, voltaremos nossa atenção para tomar uma decisão sobre a IndyCar", concluiu.

A matéria da Racer fala também da hipótese Harding como "equipa B" da Andretti por causa dos problemas que ele arranjou com a Honda - a Andretti é um dos pontas de lança da marca japonesa na competição - e também outras hipóteses, como a Penske, estão fora de questão. "Não estou interessado de momento", disse um lacónico Roger Penske à revista americana. A hipótese Chip Ganassi também está a ser considerada, mas é mais complicado.

E os pilotos? Claro que o iriam receber de braços abertos, tendo consciência de que ele poderia ser alguém que elevaria a competição a muito altos patamares. Assim esperam Tony Kanaan e Ryan Hunter-Reay.

"Tenho certeza que ele vai fazer a Indy 500, e ele quer fazer todo o campeonato também? Espero que sim. Seria ótimo para nossa competição. Lembrem-se do zumbido [que houve] quando Mansell chegou", começou por dizer o veterano Kanaan. “Como piloto, quero que ele seja feliz. Eu estive em lugares onde não fui feliz; não é divertido. E ele não precisa do dinheiro”, concluiu o brasileiro.

Sim, seria bem-vindo, sem dúvida. Nós trabalhamos bem juntos”, disse Hunter-Reay, companheiro de Alonso nas 500 Milhas de 2017. "Eu não tenho ideia de onde tudo isso está indo agora, e não sei como está a McLaren agora. Eu não sei como isso se relaciona com Andretti. Há muita especulação neste momento”, concluiu o americano.

Em resumo, parece que tudo está delineado para o asturiano de 37 anos. A ideia da tripla coroa está na sua mente, mas como já disse esta semana, ainda poderá haver mais desafios interessantes para Alonso. A Formula E poderá ser uma delas. Uma competição em ascensão, atraindo cada vez mais pilotos experientes - Felipe Massa é a mais recente chegada e já o convidou para participar na competição - e ver o espanhol numa competição liderada por outro espanhol, Alejandro Agag, que vai estrear um novo carro em 2019, provavelmente teria o mesmo impacto que teria a sua ida para a IndyCar Series. E ainda não poderemos descartar a chance de um regresso à Formula 1, talvez em 2021, quando estrearem os novos regulamentos...

Noticias: Carlos Sainz Jr será piloto da McLaren

Um espanhol sai, outro espanhol entra. Carlos Sainz Jr. será piloto da McLaren para a próxima temporada. O anuncio foi feito esta tarde através de um comunicado oficial da equipa de Woking. 

Estamos muito entusiasmados com a entrada de Carlos Sainz na McLaren”, começou por dizer o presidente da McLaren, Zak Brown. “Já o seguíamos há algum tempo e consideramos que é um dos pilotos de top da próxima geração  que está a emergir na Formula 1. O Carlos traz a mistura perfeita de juventude e experiência. Embora tenha apenas 23 anos, vai para a sua quinta temporada e trará consigo uma enorme experiência”, concluiu.

Já o espanhol, filho de Carlos Sainz, mostrou estar feliz por ir para a equipa de Woking e ser o substituto de Fernando Alonso.

"Estou feliz por finalmente poder confirmar que serei piloto da McLaren na temporada de 2019. É algo que  desejo há algum tempo e estou muito empolgado com este  próximo capítulo da minha carreira. Sou fã da McLaren desde que me lembro. É um grande nome na Formula 1 com uma herança incrível, e da lista de pilotos que correram pela McLaren ao longo dos anos, constam muitos heróis”, contou.

Nascido a 1 de setembro de 1994 em Madrid, Carlos Sainz Vázquez de Castro - seu nome completo - chegou à Formula 1 em 2015, depois de ter estado na Formula 3, GP3 e Formula Renault 3.5, sempre ao serviço da Red Bull. Ao todo, tem 148 pontos em 72 Grandes Prémios. Começando pela Toro Rosso, transferiu-se no final de 2017 para a Renault, como um empréstimo, estando nesta temporada. O seu melhor resultado de sempre é um qaurto lugar no GP de Singapura de 2017, tendo conseguido nesta temporada 30 pontos e o 11º lugar do campeonato.

Noticias: Michael Schumacher vai ser transferido para Maiorca

A familia de Michael Schumacher irá transferi-lo para a ilha de Maiorca, nas Baleares. O jornal francês L'Ilustré conta que Corinna Schumacher adquiriu uma mansão que pertencia a Florentino Perez, presidente do Real Madrid, por uma soma não revelada e que daqui a algum tempo, quando terminarem as obras de adaptação, o heptacampeão do mundo, agora com 49 anos, será transferido para ali.

"Posso confirmar oficialmente que Michael Schumacher irá instalar-se no nosso município e que tudo está a ser feito para o receber", disse Katia Rouarch, a alcaldesa local.

A nova moradia faz parte de um terreno com 15 mil metros quadrados. A residência está rodeada de grandes jardins, mais duas piscinas, enquanto o terreno em si tem muralhas em seu redor e localiza-se num promontório, para manter longe de olhares indesejados. Tem também um heliporto. 

O facto da família Schumacher costumar passar férias em Maiorca antes do acidente - como milhões de alemães durante o verão - terá pesado nesta escolha.

Neste momento, a familia Schumacher vive numa mansão em Gland, propriedade adquirida pelo próprio em 2002 e que está presente desde que sofreu o seu acidente nos Alpes suíços, em dezembro de 2013. Depois de seis meses no Hospital Universitário de Grenoble, foi transferido para Lausanne, antes de ir para a sua casa, que sofreu obras de adaptação para o receber.

GP Memória - Hungria 1998

Duas semanas depois de correrem em paragens alemãs, máquinas e pilotos estavam na Hungria para a 12ª prova do campeonato. Mika Hakkinen estava confortável na liderança, 16 pontos na frente de Michael Schumacher, mas não poderia baixar a guarda, porque sabia que a Ferrari tinha sempre grandes truque na manga. 

Contudo, no final da qualificação, os McLaren estavam tranquilos: monopolizavam a primeira linha da corrida, com Mika Hakkinen a ser melhor que David Coulthard. Michael Schumacher é o terceiro, com o Jordan de Damon Hill no quarto posto. Eddie Irvine era o quinto, no segundo Ferrari, na frente dos Williams-Mechacrome de Jacques Villeneuve e Heinz-Harald Frentzen. Giancarlo Fisichella era o oitavo, no seu Benetton-Playlife, e a fechar o "top ten" estavam o segundo Benetton de Alexander Wurz e o segundo Jordan de Ralf Schumacher.

O dia da corrida estava claro, e na partida, os McLarens mantiveram os dois primeiros lugares, com Schumacher atrás, esperando por uma oportunidade. Contudo, os carros cinzentos iriam parar por duas vezes, algo do qual a equipa de Maranello tinha de fazer algo para os contrariar. E aí surgiu a mente de Ross Brawn a funcionar, com uma ideia genial: em vez de duas vezes, Schumacher iria parar três, um um ritmo maior que os McLaren... e talvez pudesse dar certo.  

A meio da corrida, os McLaren estavam na frente da prova, mas pouco depois, Hakkinen começou a ter problemas com as molas de suspensão e caiu posições, fazendo com que apenas Coulthard estivesse no caminho de Schumacher. Com o ritmo superior e o carro mais leve, conseguiu passar o escocês quando foi a sua vez de ir às boxes e aumentou o ritmo ao ponto que, na terceira e última paragem, mantivesse na frente da corrida. E foi assim que aconteceu, para júbilo dos "ferraristas".

No final da corrida, Schumacher via a bandeira de xadrez, enquanto nas boxes, Ross Brawn comemorava a fantástica estratégia elaborada por ele. Coulthard eera segundo e Jacques Villeneuve ficava com o lugar mais baixo do pódio. Damon Hill foi o quarto, no seu Jordan, e nos restantes lugares pontuáveis ficaram o segundo Williams de Heinz-Harald Frentzen e o McLaren de Mila Hakkinen, que perdeu nove pontos com o sucedido, fazendo diminuir a vantagem para sete pontos: 77 contra 70 do alemão.

No final do mês, havia novo duelo, em terras belgas.

quarta-feira, 15 de agosto de 2018

Youtube Raly Presentation: A apresentação do ADAC Deutschland Rally

Amanhã começa o Rali da Alemanha, a prova por excelência de asfalto do WRC, e a organização já colocou um video de apresentação, que podem ver aqui.