sábado, 17 de novembro de 2018

WRC 2018 - Rali da Austrália (Dia 2)

O segundo dia do Rali da Austrália mostrou Ott Tanak na frente da prova e um Sebastien Ogier cada vez mais perto do campeonato. No final da 18ª especial, que encerrou o segundo dia do rali, o estónio da Toyota tem um avanço de 21,9 segundos sobre Jari-Matti Latvala e 26,9 segundos sobre o Hyundai de Hayden Paddon. Sebastien Ogier é sexto, a um minuto 44,8 segundos da liderança, mas está cada vez mais à vontade, pois Thierry Neuville é oitavo, quase um minuto atrás dele.

Este sábado começou com Latvala ao ataque, apesar de na primeira passagem por Argents Hill Reverse, o vencedor ter sido Hayden Paddon, que bateu o finlandês da Toyota por 0,4 segundos, enquanto Ostberg perdia 2,1 segundos. Ogier era apenas oitavo, perdendo 9,1 segundos e Neuville estava dois lugares mais abaixo, quer na especial, quer no rali.

Na primeira passagem por Welshs Creek Reverse, Tanak conseguiu ser mais veloz, batendo Latvala por 3,8 segundos e Paddon por 4,5. Ostberg perdeu 7,7 segundos e viu o finlandês a aproximar-se rapidamente, enquanto na luta pelo título, Ogier foi apenas oitavo, perdendo 21 segundos e Neuville ficou atrás, a 28,6. Na 11ª especial, a primeira passagem por Urunga, Tanak voltou a vencer, com Latvala logo atrás, a 1,7 segundos, mas o mais importante foi Ostberg, sexto na especial e a perder 13,5 segundos, suficientes para ceder o comando para os Toyota.

"É muito difícil andar ao ritmo dos Toyotas. O carro é mais rápido na especial, parece que todos os três Toyotas estão indo bem lá. [Tenho] muito menor aderência. Eu tenho alguns pneus novos, que podem ajudar esta tarde", disse Ostberg, justificando a perda do comando do rali.

A manhã acabou com a primeira passagem pela pequena especial de Raleigh, com Tanak a empatar o melhor tempo com Elfyn Evans, com Craig Breen a chegar tarde e a receber uma penalização de três minutos e 50 segundos, caindo para o décimo posto.

Na parte da tarde, com as segundas passagens pelas da manhã, Paddon começa a ganhar a 13ª especial, enquanto Tanak se aproximava de Latvala. Era um duelo a quatro, é certo, mas parecia que os Toyota tinham a mó de cima. E isso se confirmou quando Tanak venceu a 14ª especial, a segunda passagem por Welshs Creek Reverse, ganhando quatro segundos exatos a Latvala e a ficar com o comando do rali por meros 0,8 segundos. Ostberg resistia a Paddon, e Ogier, com o oitavo lugar na especial, consolidava o sexto posto na geral.

"Faço o meu melhor. Faço tudo que posso. Não são condições fáceis, mas pelo menos é consistente. Divertido, mas ao mesmo tempo dando o meu melhor. O título dos fabricantes é a prioridade, então definitivamente precisamos garantir isso", afirmou Tanak, no final desta especial.

Na segunda passagem por Urunga, Lappi foi o melhor, mas o segundo posto de Tanak e o quinto de Latvala na especial fizeram com que a vantagem se alargasse para 7,4 segundos. O estónio depois venceu na curta especial de Raleigh, antes da dupla passagem por Destination NSW, onde não houve alteração na geral.

Depois dos três primeiros, Mads Ostberg é quarto, no seu Citroen, a 44,6 segundos, e assediado por Esapekka Lappi, o quinto. Muito longe está Sebastien Ogier, o sexto, a quase um minuto do quinto, enquanto Elfyn Evans era sétimo, controlando o avanço para Thierry Neuville, que agora aposta mais no azar os outros que na sua performance. E a fechar o "top ten" estão o ford de Teemu Sunninen e o Citroen de Craig Breen.

O rali da Austrália termina amanhã, com a realização das últimas quatro especiais.

CNR 2018 - Rali do Algarve (Final)

Foi um bom duelo nas estradas algarvias, mas no final Ricardo Teodósio acabou por desistir na oitava especial, dando o título a Armindo Araujo, que regressa aos campeonatos catorze anos depois da última vez. Apesar de ter largado mal e acabado o primeiro dia na sexta posição, no final foi o suficiente para ser campeão nacional, pois se o piloto algarvio não terminou, já outro dos candidatos, José Pedro Fontes, foi apenas quarto, depois de ter feito um pião e ter perdido quase 40 segundos no processo.

Se no final do primeiro dia, Teodósio começava a abrir uma vantagem que permitia respirar um pouco a tentar a sua sorte no campeonato, logo no inicio do segundo dia, na primeira passagem por Chilrão, ele alargou ainda mais essa diferença, ganhando 10,4 segundos para José Pedro Fontes. Armindo Araújo foi terceiro ma especial, a 19,8 segundos do vencedor, mas recuperou em relação a Miguel Barbosa. Nesta altura, apenas sete segundos separavam os dois.

O troço ficou marcado pela saída de Pedro Paixão, quando seguia no quarto posto, acabando por desistir. "Estou muito triste por não ter conseguido verbalizar o resultado. Tenho apenas dois anos de ralis e a minha inexperiência nos troços acabou por pagar numa altura fulcral", disse no final.

O sétimo troço acabou por ser o mais decisivo do rali, pois Fontes foi o vencedor e Araújo era terceiro classificado na geral, depois de ter passado Miguel Barbosa. Era mais que suficiente para o piloto de Santo Tirso ser campeão nacional. E na seguinte... a cereja no topo do bolo, quando o motor do Skoda de Teodósio rebentou em plena aceleração.

Araújo venceu na especial, aproveitando também o furo de José Pedro Fontes, que perdeu muito tempo e caiu para o terceiro posto, atrás de Miguel Barbosa. 

"Infelizmente, os ralis têm destas coisas. Nós estávamos a fazer o nosso papel, tranquilos, poderiamos ter andado mais forte no troço da Nave Redonda. Estávamos convencidos que o rali era nosso, infelizmente aconteceu desta maneira, o motor não quis colaborar, partiu quando vinhamos a fundo e pronto, tivemos que ficar por aqui", comentou, desolado.

A partir dali, foi um limitar de gestão por parte do piloto de Santo Tirso. O madeirense Alexandre Camacho foi o mais veloz no nono troço, a segunda passagem por Chilrão, batendo Miguel Barbosa, que por sua vez conseguiu mais 2,1 segundos sobre Armindo Araújo, terceiro na especial.

A seguir, na décima especial, Fontes venceu o troço e ascendeu ao segundo posto, passando Barbosa e não estando muito longe da liderança, conseguindo reduzi-la a meros 7,3 segundos. Mas no final, o pião do piloto da Citroen, no troço final, fez com que Barbosa ficasse com o segundo lugar, e Camacho vencido o ERT, ficando com o lugar mais baixo do pódio.

Depois dos quatro primeiros, o melhor estrangeiro foi o checo Ondrej Bisaha, quinto no seu Ford Fiesta R5, na frente de outro Ford Fiesta R5, o de Pedro Almeida. O romeno Dan Girtofan foi sétimo, num Skoda Fabia, a cinco minutos e oito segundos do vencedor, com o holandês Kevin van Deijne logo a seguir. E a fechar o "top ten" ficaram o Peugeot 208 R2 de Daniel Nunes e o Mitsubishi Lancer Evo X do russo Serguei Remmenik.

O campeonato de 2018 acabou, agora é a vez de 2019, com mais carros e mais pilotos no comando de uma campeonato que se deseja tão competitivo como este. 

sexta-feira, 16 de novembro de 2018

CNR 2018 - Rali do Algarve (Dia 1)

Ricardo Teodósio aproveitou bem os seus conhecimentos das especiais algarvias e lidera tranquilamente o Rali do Algarve. O piloto do Skoda Fabia R5 tem uma vantagem de 20,5 segundos sobre José Pedro Fontes. Miguel Barbosa, noutro Skoda Fabia R5, é o terceiro, a 54,3 segundos, enquanto Armindo Araújo, o líder do campeonato, é apenas sétimo, sexto no CNR, a um minuto e onze segundos, passado é o primeiro dia desta prova que decide quem vai ser campeão nacional de 2018.

O rali começou com a passagem por Alferce, com José Pedro Fontes ao ataque, sendo o mais rápido na primeira especial do Rali. O piloto do Citroen bateu Ricardo Teodósio por 4,4 segundos, mas sobretudo, os dois pilotos conseguiram ganhar muito tempo a Armindo Araújo, que acabou a especial na oitava posição, perdendo 24,1 segundos para Fontes e 19,7 segundos para Teodósio.

Teodósio respondeu na segunda especial, em Fóia, recuperando 2,2 segundos para Fontes. Já Armindo Araújo fez o terceiro tempo, mas voltou a perder muito terreno para os dois pilotos mais rápidos. O piloto da Hyundai gastou mais 16,4 segundos do que Teodósio, e é sétimo da geral, a 38,2 segundos de José Pedro Fontes. A etapa ficou ainda marcado pelos problemas de Miguel Nunes, noutro Hyundai, que acabou por desistir.

Na segunda passagem por Alferce, Teodósio foi o melhor, ganhando 18,9 segundos e passando para a frente do rali. Armindo Araujo perdeu mais 21,6 segundos para o piloto da Skoda. E a mesma coisa fez o piloto local na segunda passagem por Fóia, onde aumentou para 20,5 segundos a sua vantagem para José Pedro Fontes, segundo nesta especial. Quanto a Armindo Araújo, foi terceiro na especial, 11,1 segundos atrás do vencedor.

Nesse momento, José Pedro Fontes perdia todas as chances de vencer o campeonato, pois precisava de vencer as restantes classificativas, pois a cada vitória consegue mais meio ponto. 

A parte final do dia era a super-especial de Lagos, onde Miguel Barbosa conseguiu tirar o terceiro posto a Pedro Paixão, foi a única alteração na classificação geral.

Amanhã, o Rali do Algarve termina, com a realização das restantes seis especiais. 

WRC 2018 - Rali da Austrália (Dia 1)

Mads Ostberg lidera o Rali da Austrália, com uma vantagem de 7,6 segundos sobre o irlandês Craig Breen e 8,3 segundos sobre o Toyota de Jari-Matti Latvala, cumprido está o primeiro dia do Rali da Austrália. na luta pelo título, Sebastien Ogier leva vantagem sobre Thierry Neuville, sendo sétimo, a 39,7 segundos, pois o belga da Hyundai é décimo, a um minuto e doze segundos da liderança.

O dia começou com os Toyotas ao ataque. Esapekka Lappi foi o primeiro vencedor, na primeira passagem por Orara East, dando 0,8 segundos a Ott Tanak e 1,2 sobre Jari-Matti Latvala. Neuville foi quinto e Ogier apenas oitavo, pois abriam a estrada. Na segunda especial, a primeira passagem por Coldwater, Latvala foi o melhor, batendo Lappi por 1,2 segundos e ficando com a liderança. Neuville e Ogier eram apenas 10º e 11º, perdendo mais 6,7 e 10,7 segundos respectivamente.

Depois veio a terceira especial, a primeira passagem por Sherwood. E ali, Mads Ostberg foi mais veloz nessa especial de quase 27 quilómetros, cilindrando a concorrência no seu Citroen C3 WRC. Deu 5,9 segundos a Craig Breen e 6,6 a Hayden Paddon. Mas o mais importante ainda foi o de ter dado 7,8 a Esapekka Lappi e 8,2 a Latvala. Andreas Mikkelsen bateu na especial e danificou o seu Hyundai, atrasando-se muito.

"Foi muito agradável! O que eu posso dizer? Foi uma linda classificativa e eu tive um bom ritmo por ali, estava pensando na Finlândia quando estava na linha de largada. Eu não fiz esta etapa no ano passado, mas o carro estava ótimo, foi um bom dia apesar de tudo", comentou Ostberg no final.

Agora, Ostberg tinha uma vantagem de 5,4 segundos sobre Lappi, quando faltavam cinco especiais para acabar o dia.

A parte da tarde começou com Ott Tanak a vencer na segunda passagem por Orara East, batendo Lappi por 0,1 segundos e Ogier - empatado com Ostberg - por um segundo exato. Depois foi Neuville a responder, vencendo a quinta especial, ganhando 0,1 segundos para Teemu Suninen, e 1,6 a Ogier, que fora... sétimo. Breen foi veloz na sexta especial, sendo o vencedor e subindo dois lugares na geral, agora ficando no terceiro posto. Bateu Ostberg por um segundo e Latvala por 1,3.

As duas últimas especiais do dia foram passagens duplas pela super-especial Destination NSW, em Coffs Harbour, onde Ogier venceu na prineira passagem e Tanak na segunda.

Depois dos três primeiros, Hayden Paddon é o quarto, a 11,2 segundos, na frente de Ott Tanak, a 18,6. Esapekka Lappi está um pouco mais distante, a 28,6, na frente de Ogier. Elfyn Evans é o oitavo, a 45,6 segundos, depois de ter passado Teemu Suninen. E Thierry Neuville fecha o "top ten".

O rali da Austrália continua esta sábado, com a realização de mais dez especiais.

quinta-feira, 15 de novembro de 2018

Noticias: Bob Fernley lidera projeto da McLaren na IndyCar

Bob Fernley, antigo diretor da Force India, vai liderar o projeto da McLaren Racing na IndyCar. A ideia inicial é preparar a equipa para as 500 Milhas de Indianápolis do próximo ano, mas mais adiante, também será para preparar o projeto de entrada a tempo inteiro na categoria americana. Fernley, de 65 anos, não é novo na categoria, pois ganhou experiência nos anos 80, quando a IndyCar chamava-se CART.

"Voltar para o Brickyard será uma experiência muito especial para mim e tenho orgulho de liderar este projeto e a equipa da McLaren", começou por dizer Fernley, que reportará diretamente a Zak Brown.

"As 500 Milhas são um grande desafio e temos concorrentes incrivelmente fortes para superar se quisermos ter sucesso. Vamos precisar nos preparar bem para o mês de maio e esse trabalho começa agora.", concluiu.

Para Zak Brown, a chegada de Fernley será excelente para a liderança da equipa neste novo projeto. "Bob é um operador fantástico e alguém que eu respeito muito", começou por dizer Brown."Sua experiência e liderança serão essenciais para nós neste projeto. Ele é particularmente talentoso em colocar equipes efetivas juntas e extrair o máximo desempenho com recursos finitos", continuou.

"As 500 Milhas não são uma corrida fácil e Bob tem um papel fundamental, por isso estou muito feliz por ele estar a bordo.", concluiu.

CNR: Barbosa contente com a temporada

Sem hipóteses de título nacional, Miguel Barbosa tem ainda motivos para sorrir. As suas performances melhoraram em relação à temporada anterior, pois este ano lutou por triunfos, algo do qual sempre fez quando competia no Todo o Terreno. Agora nas estradas algarvias, e ao lado do seu navegador, Hugo Magalhães, o piloto do Skoda Fabia R5, ele deseja andar entre os da frente para um bom resultado. 

É a última corrida de uma temporada onde sinto que crescemos bastante. Parto como sempre apostado em lutar pela vitória. Seria excelente terminar um ano no qual toda a minha equipa e eu trabalhámos muito para evoluir e estar sempre entre os mais rápidos. É uma prova que apenas disputei uma vez na minha primeira temporada nos ralis, mas que preparámos muito bem com o objetivo de conseguir o triunfo”, salienta Miguel Barbosa.

O rali do Algarve, que vai acontecer neste final de semana, terá onze especiais de classificação e contará também para o TER - Troféu Europeu de Ralis. 

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Youtube Formula E Challenge: Gen 1 vs Gen 2

Com cerca de um mês para o inicio da nova temporada e com um novo carro em mãos, uma comparação entre esses bólidos era inevitável. Assim, em Donington Park, Lucas di Grassi e António Félix da Costa decidiram cada um andar nos seus carros para mostrar as diferenças entre eles. Este é o resultado final. 

CNR: Fontes vai tentar o título

José Pedro Fontes vai fazer o seu melhor e esperar que a sorte esteja ao seu lado para alcançar o titulo nacional em 2018. O piloto que guia esta ano o Citroen C3 R5 desde o Rali de Portugal, admite que é o "ousider" nesta luta a três pelo título nacional de ralis de 2018, cujo final acontecerá neste fim de semana nas estradas algarvias.

Estamos, de facto, em luta pelos títulos de Pilotos e Navegadores, fruto dos resultados que alcançámos nas três últimas provas onde, com o nosso novo C3 R5, somámos duas vitórias consecutivas – na Madeira e em Amarante – após um muito suado segundo lugar em Castelo Branco. Dando um novo alento à equipa, após um início de ano difícil, esses resultados elevaram-me ao terceiro lugar na tabela de Pilotos e ao Paulo ao quinto posto na dos Navegadores, dando redobrada importância ao resultado e pontos a conquistar nesta última prova de 2018”, explica o piloto do Porto, navegado por Paulo Babo.

Nas contas do campeonato, Fontes admite que os cálculos são grandes para alcançar o objetivo. 

Para garantirmos os títulos temos que ser os mais rápidos nos troços – resultados que também valem pontos – e garantir a vitória final, somando, com isso, os correspondentes 25 pontos, para além de que temos de esperar que as coisa não corram a 100% aos nossos adversários, numa altura em que há, também, uma série de fatores a ter em conta, nomeadamente pontuações para deitar fora, pelo que é difícil fazer projeções”, acrescentou.

Ou seja, o nosso objetivo final não depende só do nosso resultado mas, como tenho vindo a afirmar, há que acreditar e é com esse espírito que alinhamos neste Rallye Casinos do Algarve, onde uma vitória é perfeitamente possível, como comprovam os nossos recentes resultados”, concluiu.

Para alem de contar para o Campeonato Nacional de Ralis, a prova algarvia também conta para o FIA European Rally Trophy de 2018.

CNR: Miguel Nunes ansioso por correr no Algarve

Miguel Nunes faz este ano a sua estreia em ralis continentais, e vai participar no carro da Hyundai Portugal que pertence a Carlos Vieira, que ainda recupera dos seus ferimentos no Rali Vidreiro, em junho. Antes deste rali, o piloto agradece o convite e reconhece que será mais uma prova para descobrir o carro do que para lutar por boas posições.

Queremos, em primeiro lugar, agradecer o convite da Hyundai Portugal e o apoio do Carlos Vieira, da Sports&You e de todos os patrocinadores da equipa”, começou por comentar o tricampeão madeirense de ralis. 

É uma honra ter sido chamado para esta oportunidade e toda a gente sabe que gosto imenso de conduzir o Hyundai i20 R5, um carro no qual apostei pela primeira vez no Rali Vinho da Madeira em 2017. O Rallye Casinos do Algarve será uma enorme descoberta para nós, mas estamos extremamente motivados para fazer boa figura e ajudar a Hyundai a conquistar o grande objetivo da época”, concluiu. 

Nona e última prova do Campeonato Nacional de Ralis 2018, o Rali do Algarve terá onze especiais de classificação entre sexta e sábado, e onde Armindo Araújo, José Pedro Fontes e Ricardo Teodósio irão lutar para ver quem sucede a Carlos Vieira na lista de vencedores do campeonato nacional de ralis.

terça-feira, 13 de novembro de 2018

Rumor do Dia: Kubica é o escolhido da Williams

A Williams poderá ter escolhido Robert Kubica para ser seu piloto em 2019. Segundo conta a publicação alemã Auto Motor und Sport, o contrato será assinado esta semana e poderá assinalar o seu regresso à atividade, oito anos depois de ter corrido o seu último Grande Prémio, em Abu Dhabi, ao serviço da Renault. 

De acordo com a revista, apesar de não se saber a duração do contrato, cerca de 90 por cento do contrato está feito, com os detalhes em falta a ter a ver com os primeiros treinos livres. Esta vai ser uma forma da Williams se financiar: vender o lugar do primeiro treino livre ao melhor preço. 

O piloto polaco têm também cerca de dez milhões de euros de patrocínios vindos da sua Polónia natal, o que ajudará no orçamento da equipa fundada há 41 anos por Frank Williams.

Caso o contrato da Williams acabar por não acontecer, o piloto de 33 anos têm também a chance de ser piloto de desenvolvimento da Ferrari, no lugar de Daniil Kvyat.

Youtube Formula 1 Onboard: As comunicações de Interlagos


Como sempre em qualquer fim de semana de Grande Prémio, eis as comunicações do GP do Brasil, especialmente num lugar onde houve alguns incidentes dignos de registo. Eis dois dos videos desse fim de semana brasileiro.

E a última imagem do primeiro video até é bem interessante de se ver...

WRC: Ogier e Neuville otimistas na luta pelo título

Este é o fim de semana onde, em paragens australianas, se vai decidir o título mundial de ralis, numa disputa entre Sebastien Ogier e Thierry Neuville, piloto da Hyundai que quererá quebrar com a hegemonia de pilotos franceses, que dura desde 2004. Ambos estão separados por três pontos, com Ogier em vantagem em termos de vitórias, pois têm quatro - Monte Carlo, México, Córsega e Gales - contra três do piloto belga da Hyundai, que venceu na Suécia, Portugal e Sardenha.

Numa entrevista à revista Motorsport Monday, Ogier afirma que apesar de abrir a estrada está "feliz por liderar o campeonato. Vai ser duro, eu sei que vai ser muito duro, mas sempre disse que é bem melhor ter os pontos do nosso lado", comentou.

Apesar de ser a prova final ao serviço da M-Sport, Ogier deseja dar à marca um título mundial antes de passar para a Citroen, onde ajudará a desenvolver o C3 WRC.  

"Estamos preparados para o desafio, tudo pode acontecer no desporto automóvel. Já tivemos grandes sucessos na Austrália nas provas anteriores e queremos continuar este fim de semana. Queremos coroar dois grandes anos com Malcolm Wilson e a sua equipa da melhor maneira possível," concluiu.

Do lado do piloto belga, este está um pouco mais otimista - e até ousado - nos seus prognósticos para o campeonato. ele acredita que tem 60 por cento de chances de alcançar o título mundial e quebrar Ogier nos títulos.

"Não iremos abrir a estrada e isso pode ser uma vantagem. Vamos tentar terminar o campeonato em grande estilo e vencer a última prova!" referiu Neuville. O seu navegador, Nicolas Gilsoul, diz até que, na realidade, a diferença entre eles é apenas de quatro pontos, em vez dos três que estão escritos na classificação. 

"Em caso de empate é o primeiro a vencer um rali, e com o triunfo de Sebastien em Monte Carlo o título seria dele. No findo temos 4 pontos de desvantagem", comentou em declarações ao canal de televisão belga RTBF. 

O Rali da Austrália ocorre entre os dias 15 e 18 deste mês na zona de Coffs Harbour, na Nova Gales do Sul, numa prova que terá 24 especiais de classificação, o mais longo do WRC.

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

CNR: Teodósio enfrenta rali "especial"

Ricardo Teodósio quer vencer "em casa", para tentar a sua sorte no campeonato nacional e alcançar um título inédito na sua carreira. Para isso, nada foi deixado ao acaso, com duas sessões de testes antes do Rali Casinos do Algarve, para que o Skoda Fabia R5 da ARC Sport esteja "no ponto" para Teodósio poder atacar não só a vitória, como também o título nacional, que compete neste momento contra Armindo Araújo e José Pedro Fontes.

Em relação ao título absoluto, Ricardo Teodósio ainda tem razões para sonhar: “Vamos fazer o melhor possível, e isso passa por tentar vencer, por várias razões. Ganhar em casa é muito importante, fazer um bom rali perante o nosso público é essencial e, sendo assim, a vitória é o único resultado possível, independentemente de poder vir, ou não a ser campeão, porque este é sem sobra de dúvidas o nosso rali”, afirma, com entusiasmo.

Queremos melhorar ainda mais, e estar à altura de responder às expectativas que depositam na nossa equipa. Tudo se conjuga para que o piso esteja seco, mas queremos estar preparados para tudo. Estamos muito entusiasmados e confiantes”, conclui o piloto, que será navegado por José Teixeira

O rali do Algarve vai acontecer entre os dias 16 e 17 de novembro, em asfalto, terá onze especiais de classificação.


Formula E: Maximilian Gunther é piloto da Dragon Racing

O alemão Maximilian Gunther vai ser piloto da Dragon Racing para a próxima temporada da Formula E. O anuncio foi feito esta segunda-feira, a pouco mais de um mês do começo da temporada, nas ruas de Raide, a capital saudita. 

"Estou muito feliz por competir com a Dragon no próximo campeonato de Fórmula E", começou por dizer Gunther ao site oficial da Formula E. "Fizemos um grande progresso durante nosso desenvolvimento com o mais potente e complexo carro da Gen2. É um desafio empolgante para os engenheiros e para a equipa. [Como] piloto, estou curtindo cada segundo que guio [este carro].”, acrescentou.

O ambiente de trabalho dentro da equipa é fantástico, sinto-me muito confortável e não posso esperar para começar a nova temporada. Certamente, darei tudo de mim para oferecer os melhores resultados possíveis para a equipa. Quero agradecer a Jay Penske e toda a equipe Dragon por sua confiança e por me dar a oportunidade de correr neste campeonato de primeira classe", concluiu.

"Estou muito feliz em dar a Max a oportunidade de competir no carro numero 6 nesta temporada”, começou por dizer Jay Penske, o fundador e proprietário da Dragon. “Maximilian fez um tremendo trabalho construindo um relacionamento com a equipa e trabalhando com toda a organização no desenvolvimento do Penske EV-3. Maximilian mostrou-se um verdadeiro competidor. Estou ansioso para ver os resultados do seu trabalho árduo na quinta temporada.”, concluiu.

Gunther, de 21 anos (nasceu a 2 de julho de 1997 em Obersdorf), é atualmente piloto da Formula 2 pela Arden e começou a competir em monolugares em 2013, pela ADAC Formel Masters, onde foi segundo classificado em 2013 e 2014, antes de subir para a Formula 3, pela Mucke Motorsport. Foi segundo classificado em 2016, pela Prema Powerteam e terceiro em 2017, antes de subir este ano para a Formula 2, ao serviço da Arden, onde venceu a corrida Sprint em Silverstone, estando agora no 14º posto, com 41 pontos.

CPR: Araújo só volta em 2019 com um projeto "estruturado"

Na semana que antecede do Rali do Algarve, Armindo Araújo colocou a sua participação na próxima temporada no condicional. Em declarações à agência Lusa, à margem de uma acção de promoção da Hyundai, a marca no qual corre no Campeonato Nacional de Ralis, o piloto de Santo Tirso disse que ainda nada está definido para 2019. E só alinharia para a nova época se existir um projeto “estruturado e com condições”.

Este foi um regresso que pode ser pontual ou não. Isso está dependente das condições que possamos arranjar para montar o projeto novamente. Quando o campeonato terminar vamos analisar e decidir”, concluiu.

Armindo tornou-se campeão esta temporada, 14 anos depois do seu último título nacional. Pelo meio tornou-se campeão do Mundo em Grupo N, antes de fazer duas temporadas no Mundial de Ralis, retirando-se em 2012. Regressou este ano com o projeto da Hyundai Portugal, que foi bem sucedido.