quarta-feira, 18 de novembro de 2015

A nova cara de Kyalami

Kyalami é um nome que ecoa nas mentes dos "petrolheads", pois o circuiuto situado nos arredores de Joanesburgo foi palco do GP da África do Sul entre 1966 e 1985, regressando em 1992 e 1993, mais lento e totalmente renovado, pois a parte de cima tinha sido vendida a um consórcio imobiliário. Pelo meio, em 1988, o circuito tinha sido profundamente remodelado, transformando-se numa pista de média velocidade.

Após a falência do promotor e a agitação social existente então, pouco ou nada se ouviu falar do circuito, exceptuando quando recebem uma ronda da falida A1GP, em 2009, e soube-se em 2014 que estava de novo à venda, em leilão. Ali, o grande vencedor foi Toby Venter, que é o representante da Porsche na África do Sul, por cerca de 35 milhões de euros. Desde então, pouco ou nada se sabia das ideias sobre a pista... até que o Humberto Corradi referiu hoje sobre ela no seu blog

E os planos são bem ambiciosos! A pista está em obras desde junho deste ano (daí estas fotos) e a ideia é transformar o seu envolvente num complexo imobiliário, com hotel, centro comercial e um museu a contar a história da pista, que já tem mais de 50 anos e foi um dos centros do automobilismo sul-africano. E está neste momento em fase de acabamentos.

Venter apresenta este projeto como um braço da Porsche naquele país, e é provável que ele deva ter a ideia de levar para ali uma ronda do Mundial de Endurance, já que nos anos 60 e 70 as Nove Horas de Kyalami faziam parte desse calendário. e uma ronda do Mundial em Africa não seria mau de todo. Não vai haver muitas modificações na pista em si - um prolongamento da reta da meta até Crowthorne e um "upgrade" da pista para o Grau 1 da FIA, para poder acolher todos os seus eventos - mas as obras estão a todo o vapor para estarem prontas em 2016 e acolher provas a partir de 2017. 

E a Formula 1? Venter não revela se há planos nesse sentido, mas como a Porsche não anda por lá, é provável que a sua ambição passe mais pelos eventos onde a marca esteja envolvida.

2 comentários:

Ron Groo disse...

De boas... Me lembro do circuito e dava corridas tão chatas quanto as que temos hoje. A mítica fica em torno da categoria correr lá durante o apartheid.
Por mim que fique de fora.

Fernando Kesnault disse...

Acho otimo, ja que a WEC é a "bola da vez"e os fabricantes seja na esfera das classes LMP1 e LMP2 estão a entrar cada vez mais nessa categoria; sem contar os fabricantes de GTs que sabe o ótimo termo de publicidade que causa no publico consumidor...mas para idiotas como esse Ron Groo que além de tudo é grosso, obtuso e mau educado, digo só: "chuuupaaaa"