quarta-feira, 8 de julho de 2015

O .gif do dia

Juan Manuel Fangio e Mike Hawthorn, lutando por uma posição, em Silverstone, algures em 1953. Maserati contra Ferrari, para ser mais preciso. Mas ao ver esta imagem do sitio do Humberto Corradi, lembrei-me que por estes dias, há 62 anos, nas retas de Reims, acontecia o primeiro grande duelo da Formula 1 moderna, daqueles que merecia ser televisionado e gravado, caso existissem as transmissões televisivas.

Foi um grande duelo, com os pilotos a trocarem de liderança a cada volta, com ultrapassagens nas grandes retas do circuito francês, lado a lado, a poucos centímetros um do outro, mas sempre de forma leal e respeitosa. No final, Hawthorn levou a melhor e foi o primeiro britânico a vencer um Grande Prémio desde Richard Seaman, em 1938.

Conta-se a lenda que depois da vitória, Hawthorn foi comemorar para um pequeno hotel onde estava hospedado na zona, à beira da estrada, com alguns dos seus amigos e o pessoal do hotel, incluindo o proprietário e a sua filha. Anos depois, surgiu um jovem rapaz que muitos juram afirmar ser a cara chapada dele. E para melhorar as coisas, a mãe nunca disse quem tinha sido o pai... 

A última vez em que correram juntos foi precisamente em Reims, em 1958, cinco anos depois daquele duelo. Fangio inscrevera pessoalmente um 250F e vinha à Europa para agradecer o acolhimento que lhe tinham dado. Hawthorn era um piloto bem mais maduro e pragmático, e com o seu Ferrari, estava a lutar pelo título mundial contra outro Maserati, o de Stirling Moss. Dois britânicos, num título onde nenhum tinha ganho até então.

A corrida ficou marcada pelo acidente mortal de Luigi Musso, que tinha capotado como seu Ferrari, e Hawthorn guiou para a vitória, que viria a ser a unica do ano, com Moss no segundo posto, e Wolfgang von Trips, no seu segundo pódio da carreira. Fangio foi quarto, e quando o inglês viu o argentino na sua frente, prestes a ser dobrado, abrandou. Não o quis passar em sinal de respeito por um dos melhores adversários que teve de lidar nas pistas. 

1 comentário:

Paulo Opuoc disse...

Não é" volfgang", o correto é Wolfgang, por favor corriga