sábado, 7 de março de 2015

A recuperação do carro de Ott Tanak

Quem viu os jornais de hoje, como eu, parece que os ralis só têm protagonismo quando acontece um acidente. Com a "estória" do carro de Ott Tanak no fundo do reservatório mexicano (a sequência de fotos pode ser revista por aqui), resta contar o resto da história. É que em menos de três horas, os mecânicos da M-Sport conseguiram fazer as devidas reparações ao carro do piloto estónio e o recolocaram na estrada a tempo de participar no dia de hoje do Rali do México, em modo "Rally2".

E o que fizeram? Depois de recuperar o carro, após dez horas debaixo de água, colocaram nova caixa de velocidades, tanque de combustível, sistema de arrefecimento, válvulas do turbo, componentes eletrónicos, sistema de travagem, suspensões dianteira e traseira, e inúmeros outros componentes. Em suma, um carro novo, à excepção do chassis. A equipa também reparou o motor, drenando-o do excesso de água. E tudo isto em meras três horas! Para completar o ramalhete, Tanak e o seu navegador colocaram o carro no "Parc Fermé"... pelos seus próprios meios.

"Isto foi algo que nunca vi antes. O carro esteve submerso o dia todo num lago, e a equipa reconstruiu-o em apenas três horas. Foi um desafio maluco, mas eu sabia que os rapazes da M-Sport o conseguiriam", comentou o piloto estónio. 

Malcolm Wilson, o diretor da equipa, estava muito contente com o feito da sua equipa de mecânicos em Leon: "Depois do que aconteceu ao Ott [Tänak] e o Raigo [Mõlder] hoje foi um enorme alívio ver que eles ficaram bem, e para mim foi muito importante termos conseguido preparar o carro, pois eles queriam mesmo voltar aos troços. Isso mostra verdadeira determinação! Para além disso o trabalho dos nossos mecânicos foi fenomenal, e havia muita gente no parque de assistência que não acreditava ser possível. Mas eu sabia que sim, e que valia a pena o esforço. A equipa merece todo o crédito, e estou certo que a lealdade e respeito pelo Ott e o Raigo os incentivou, até por eles terem ficado ali com eles o tempo todo", comentou.

Contudo, o tempo no fundo do lago pode ter comprometido o resto do rali para eles. É que quando na manhã deste sábado, eles foram tirar o carro do Parque Fechado, o carro recusou a colaborar, perdendo quase quatro minutos até que ele começasse a funcionar, mudando-lhe as velas e empurrando para fora do parque de assistência.

O carro voltou a parar na ligação para a 11ª classificativa, e após mais algumas tentativas, não puderam fazer mais nada, com o piloto estónio a terminar o seu rali por ali. O que foi um final inglório, depois de tanto trabalho para o recuperar... 

1 comentário:

Augusto Lange disse...

Parabéns. Seus textos são sesensacionais. Esse mais um.