quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Sobre as politiquices brasileiras e os nomes dos autódromos

Os circuitos de automóveis devem ser batizados por um herói ou uma personalidade relevante para o automobilismo, essa é a minha opinião. Da mesma forma que um estádio de futebol deve ser batizado com o nome de um futebolista ou uma personalidade ligada ao desporto. Claro que ter um estádio de futebol com o nome de Sepp Blatter ou um autódromo com o nome de Bernie Ecclestone ou Jean Todt seriam politicamente incorretos, mas isso já é outra história.

Agora, o que não gosto e me lixa completamente é ver isso nomeado com o nome de um politico. Parece coisa de uma república das bananas algures em África ou na América Latina, como nos tempos do ditador Trujillo, da República Dominicana, que batizou tudo que era relevante, desde montanhas até edifícios com o seu nome. Até a capital se chamada de Cuidad Trujillo! Felizmente, depois de o matarem, as coisas voltaram à moralidade.

No Brasil, há três autódromos com o nome de Ayrton Senna. Sim, leram bem: três. Um em Londrina, outro em Goiânia e outro em Caruaru, em Pernambuco. Todos foram batizados nos anos seguintes após a sua morte, como aconteceu às muitas estradas, ruas, túneis algures pelo Brasil fora. É algo normal. Mas se acham que isso é esquisito, podemos dizer que Jacarépaguá e Brasilia tinham ambos o nome de... Autódromo Nelson Piquet. Pobre Emerson Fittipaldi, será que há kartódromos com o seu nome? 

Só que neste inicio de semana, surgiu a polémica: o governador do estado de Goiás, local onde se situa a cidade de Goiânia, decidiu mudar o nome do tricampeão do mundo (que curiosamente, nunca correu lá!) para dar o nome... a um ex-governador. Ainda por cima, o sujeito está vivo para ver a história. Marconi Perillio, o nome do sujeito, decidiu homenagear Ary Valadão, ex-governador e aliado politico dele. Como seria de esperar, a indignação surgiu forte e feio, e muitos apontaram como o exemplo de irresponsabilidade dos políticos. 

Já agora, de forma bem interessante, uma pesquisa rápida no Google ou na Wikipédia brasileira afirma que Valadão, atualmente com 93 anos, foi governador entre 1979 e 1983, ainda no tempo da ditadura militar. E nem foi eleito, bem pelo contrário: nomeado. E eles têm um nome para isso por lá: "governador biônico". Mas claro, Valadão converteu-se à democracia, e até foi deputado por outro estado, o Tocatins, que em 1990 se cindiu de Goiás.

Contudo, a polémica pode ter durado pouco mais de 24 horas. É que, como conta o Flávio Gomes no seu sitio, a Agetop, a Agência de Transportes e Obras de Goiás, afirmou que tal medida é ilegal, porque há uma lei - não se sabe se é local ou estadual - que proíbe o batismo de lugares públicos com o nome de pessoas ainda vivas. Curiosamente, Valadão têm o seu nome em vários sitios no seu estado, pois pode ser bem uma lei local.

Mas sobre Goiânia, há algo interessante: um circuito com 40 anos, recebeu o MotoGP entre 1987 e 1989, e já esteve para ser demolido no final da década passada porque os terrenos são valiosos para a construção civil. A ideia caiu, e no ano passado, começou até a haver uma remodelação do espaço por parte do governo estadual, para eventualmente receber o MotoGP. E quem sabe, mais coisas...

Enfim, serve a história para afirmar que estas coisas não duram para sempre. Durarão até que um politico qualquer decida que é altura de dar outro nome, como todo e qualquer capricho que os políticos têm. Haverá montanhas em Goiás? 

3 comentários:

João Carlos Viana disse...

Caruaru é em Pernambuco. Aqui na terrinha, o autódromo se chama Virgílio Távora, antigo governador do Ceará e que inaugurou o autódromo, que fica no Eusébio, região metropolitana de Fortaleza, no começo da década de 70.

Antonio Eduardo Gomes disse...

O autódromo de Caruaru é em Pernambuco e para completar, o traçado oval de Jacarepaguá era denominado Emerson Fittipaldi.

Há alguns muitos anos atrás (diria décadas...), aqui em São Paulo, havia um kart indoor com a assinatura do Emerson. Ficava na Av. Luiz Carlos Berrini com a Avenida Morumbi, em um galpão antigo. Acho que hoje, no local, são condomínios comerciais...

Para finalizar, além dos autódromos citados no texto, o Kartódromo de Interlagos também é chamado Kartódromo Ayrton Senna.

Abraços,

Eduardo
São Paulo

Mauricio do Nascimento Pinto disse...

Emerson Fittipaldi deu nome ao circuito oval em Jacarepaguá. O circuito misto tinha o nome do Piquet e o oval do Emerson... Detalhe que uma das ruas de acesso ao autódromo era a Avenida Ayrton Senna.. Garanto que daqui uns tempos ninguem vai lembrar quem foram esses três caras... Ai vao colocar o nome de algum politico pilantra que nada fez para o automobilismo...