quarta-feira, 4 de julho de 2007

"The Nigel Stephney Affair"

Por estes dias, não se fala de outra coisa senão de Nigel Stephney, o engenheiro-chefe da Ferrari acusado de passar segredos para a McLaren. Esta semana, houve novos e importantes desenvolvimentos, com a suspensão do projectista-chefa da McLaren, Mike Coughlan, acusado de ter usado esses segredos para benefício da equipa de Ron Dennis.


E, imaginem! As coisas estão tão agitadas que paira o fantasma da exclusão da McLaren do Mundial de Formula 1, como vem hoje no site brasileiro "Grande Prêmio":



"A FIA (Federação Internacional de Automobilismo) anunciou nesta quarta-feira que iniciou as investigações sobre as questões envolvendo as equipes Ferrari e McLaren no âmbito esportivo. Com isso, a onda de acusações sobre espionagem e sabotagem que atingiu a F-1 nesta semana deve ganhar mais um capítulo nos próximas dias, graças a um item do regulamento esportivo que pode, até, excluir a McLaren do campeonato."


Espero que as coisas não vão por esse caminho, mas há episódios do passado que merecem ser recordados, como a exclusão da Tyrrell em 1984, acusado de colocar lastro nos seus carros.

Mas, voltando ao caso Stephney, descobriu-se que ambos trabalharam juntos durante nove anos, na Lotus, Benetton e Ferrari. Entre os pilotos com quem trabalharam juntos, destacam-se os brasileiros Ayrton Senna e Nelson Piquet e o alemão Michael Schumacher. Esta relação é explicada graficamente pelo Ivan Capelli no seu blog:


Vamos ser honestos: nos últimos anos, sempre houve casos de espionagem industrial na Formula 1. Com esta história dos apêndices areodinâmicos, que todos sabem que quando melhor carga aerodinâmica, mais velocidade ganhas, as hipóteses de cópia são muito grandes. Mas sabotagem... essa é nova! A ideia de que colocaram um "misterioso pó branco" nos depósitos de gasolina dos Ferrari no Mónaco, é inconcebível!




Mas reparem: não acho que isso deveria explicar o mau desempenho dos carros de Maranello no campeonato deste ano. Quero acreditar que tudo se deve a um bom chassis da McLaren e bons pilotos. E também acho que se a FIA decidir excluir a McLaren (espero que não), iam acusar a federação de protecção à Ferrari. Vamos a ver se o bom senso será apilcado.




E quanto a aqueles dois, bom... depois disto tudo faço minhas as palavras do Flávio Gomes, que escreveu a seguinte frase no seu blog: "Aí que esses dois estão fo*****, para falar o português bem claro." Pois é, mais vale pensarem na reforma...

4 comentários:

Blog F1 Grand Prix disse...

Esses dois realmente estão acabados para a Fórmula 1. Mas continuo sem entender o que levaria o Stepney, por exemplo, a prejudicar a equipe em que trabalha desde 1993. Será que ele teria coragem de prejudicar os companheiros de tanto tempo por uma suposta rixa com os diretores da Ferrari?

José António disse...

Caro Speeder_76,
obrigado pelas sua palavras.

Não tem nada que pedir desculpas porque foi enganado por outra pessoa.
Esse, sim, teve alguma dificuldade (falta de humildade) em assumir o que fez e esboçou uma especie de desculpa sempre a querer insinuar que não foram cópias o que tinha feito.
Ainda assim, no dito forum, me foram dirigidas algumas "criticas" como se eu fosse o culpado.
Mas não estou para dar mais seguimento ao assunto.

Nuvolari disse...

Para mim a FIA so e "Ferrari International Assistance". Vamos ver que acontece.

jocasipe disse...

Relações, no minimo, sujeitas a expeculações. Parece um filme de espiões na "guerra fria".
Em relação ao comentário do josé antónio, e porque conheço a situação, digo que é lamentável. Não comentei no outro local, pk nem valia a pena.